Estudo defende gestão das redes primárias e secundárias de Alqueva por EDIA

Estudo defende gestão das redes primárias e secundárias de Alqueva por EDIA

A gestão partilhada do sistema global de rega de Alqueva, feita maioritariamente pelo Estado, terá um défice de 78,1 milhões de euros até 2050, mas é a “economicamente mais favorável”, aponta um estudo apresentado no último sábado, 5.
Segundo as conclusões preliminares do estudo, apresentadas em Beja, a gestão partilhada, que terá um valor actualizado líquido (VAL) negativo de 78,1 milhões de euros até 2050, é o cenário “economicamente mais favorável para a gestão global do sistema de rega” de Alqueva e o “mais interessante” para o projecto e o promotor, o Estado.
No cenário de gestão partilhada, a gestão e manutenção das redes primária e secundária e a gestão comercial ficarão a cargo da Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas de Alqueva (EDIA), cabendo a representação dos agricultores a associações de regantes.
O estudo indica também que a gestão deve “assegurar a inter-dependência” entre os sistemas das redes primária e secundária e para “mitigar os resultados negativos estimados” é preciso “potenciar a gestão integrada” das valências agrícola, energética e turística do empreendimento.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

ULSBA participa em projecto europeu

A Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) candidatou-se ao projecto europeu de facturação electrónica “European Hospitals adopting the e-invoicing Directive”, aprovado pela INEA

CIMBAL apresenta propostas para o PRR

A Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL) submeteu vários contributos ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no âmbito da consulta pública promovida ao documento.

Role para cima