Esdime celebra 25 anos com ambição no futuro

Esdime celebra 25 anos

A Esdime – Agência para o Desenvolvimento Local no Alentejo Sudoeste, com sede na vila de Messejana, celebra esta terça-feira, 18 de Fevereiro, o seu 25º aniversário.
“São 25 anos em que a Esdime pôde contribuir de diferentes formas para promover mudanças positivas na vida das pessoas”, sintetiza ao “CA” o presidente da instituição, David Marques.
Tudo começou naquela freguesia do concelho de Aljustrel, na segunda metade da década de 80, altura em que uma fábrica de mobiliário em madeira, que era a maior empregadora da freguesia, estava prestes a encerrar.
O futuro pintava-se de negro, com dezenas de pessoas prestes a ficar sem sustento, mas uma ideia “gizada” por José Carlos Albino permitiu que estes novos desempregados iniciassem em 1988 um projecto de formação inovador e inédito. E assim nasceu, já em 1989, a SDM – Sociedade de Desenvolvimento de Messejana.
Desde então passaram-se 25 anos e a SDM passou a Esdime – Agência para o Desenvolvimento Local no Alentejo Sudoeste – uma mudança entre as muitas que a instituição já provocou no território dos concelhos onde actua: Aljustrel, Castro Verde, Ourique, Almodôvar, Ferreira do Alentejo e parte de Odemira.
“E essas mudanças reflectem-se no aumento, na aquisição e desenvolvimento de competências. No acesso a recursos e a meios para criar novas actividades e negócios. Na capacidade de promover o diálogo e a concertação entre diferentes entidades de diferentes sectores. Na capacidade de atrair recursos que a região não tinha. E, de uma forma geral, na promoção de uma melhor qualidade de vida e na resposta aos desafios complexos que uma região do interior tem”, diz o presidente da Esdime.
Para conseguir tudo isto, David Marques reconhece que a Esdime não tem trilhado “um caminho fácil”.
“Mas também nunca o será! É essa a sensação que temos”, contrapõe o dirigente, preocupado com a cada vez maior “litoralização dos investimentos e dos recursos”, o que provoca “mais despovoamento, desertificação e envelhecimento nos territórios do interior”.
“Mas estamos cá para dar o contributo inverso, ou seja, um contributo de construção de territórios de vida”, assume David Marques, não escondendo que são muitos os desafios que a agência tem pela frente.
“Temos de adaptar os nossos recursos àquilo que são as possibilidades que nos são dadas e procurar novos desafios e novas fontes de financiamento para acções que antigamente eram suportadas inteiramente por fundos estruturais. Mas também ir reajustando o nosso contributo e o nosso papel, […] sem deixar de lado áreas fundamentais de desenvolvimento social e de promoção da igualdade e da cidadania, que dão sentido a tudo o resto”, acrescenta.
Em tempo de festa, são grandes os desafios que a Esdime tem para os próximos anos.
Desafios que passam também pela internacionalização e consolidação das parcerias que a instituição tem vindo a desenvolver com parceiros em Cabo Verde e que já permitiram a abertura de filial da agência neste arquipélago.
“Neste momento a Esdime é uma entidade sólida e reconhecida, que já não está tão dependente de certas dinâmicas, mas esse caminho precisa de ser continuado. E o grande desafio para os próximos 25 anos é que a Esdime continue a responder aos desafios que lhe são colocados, sem deixar de aproveitar e de se confrontar com novos desafios, nomeadamente internacionais”, conclui David Marques.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima