Empresários holandeses plantam tulipas na zona de Montes Velhos

Empresários holandeses plantam tulipas na zona de Montes Velhos

Tulipas, lírios e outras flores destinadas ao famoso mercado holandês vão começar a ser produzidas na freguesia de Montes Velhos. O projecto é da responsabilidade de uma empresa holandesa, que já está no terreno e se prepara para plantar perto de seis hectares de flores ao ar livre.
“Assim que o tempo o permita vão começar a plantar. Depois vão preparar bouquets com as flores e exportam tudo preparado, tendo já cá uma câmara de frio que trouxeram da Holanda”, conta ao “CA” o presidente da Associação de Beneficiários do Roxo (ABR), António Parreira.
Para já, continua o mesmo responsável, os investidores holandeses criaram oito novos postos de trabalho, que terão inevitavelmente de aumentar se a empresa concretizar o projecto de alargar a produção até 100 ou 200 hectares de flores ao ar livre, que plantarão em dois períodos do ano: umas entre Outubro e Novembro para colher em Abril e Maio; e outras por volta de Abril e Maio, que terão colheita em Setembro e Outubro.

Investimentos no horizonte
A produção de flores em Montes Velhos é o primeiro novo investimento concretizado nos cerca de 5.000 hectares (que passarão a perto de 25 mil em 2013) servidos pelo perímetro de rega do Roxo desde que em Julho de 2010 a albufeira situada entre os concelhos de Aljustrel e Beja foi ligada a Alqueva.
Desde então, a ABR tem vindo a encetar contactos com potenciais interessados, nomeadamente com empresas hortícolas do Ribatejo e com os responsáveis pela região andaluza de Cartaya, com a qual a Câmara de Aljustrel tem um protocolo de cooperação. Sobre a mesa está igualmente a possibilidade de surgir no Roxo um investimento ligado à plantação de plantas para a produção de bio-energias por parte de um empresário indiano.
Mais adiantado está o projecto de criação de um entreposto comercial de frio em Montes Velhos, nas instalações da antiga fábrica de transformação de tomate local, que estão a ser recuperadas para o efeito e já acolhem, precisamente, a câmara frigorífica para as flores que seguirão para a Holanda.

Mais água… e trabalho!
Todo este leque de possíveis investimentos surge porque o Roxo pode agora “oferecer” aos interessados aquilo que até Julho do último ano não podia: água em abundância em todas as alturas do ano. “Como já não temos o espectro da falta de água, podemos pensar em todos os projectos possíveis e garantir a quem queira vir investir para o Roxo que não terá falta de água em ano nenhum”, explica António Parreira.
Mas apesar desta mais-valia, ainda há muito por fazer na área de influência do Roxo e o presidente da ABR encara mesmo 2011 como um ano de “muito trabalho” que será fundamental para a vida da própria associação. “Vai ser um ano de grandes definições”, garante.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima