Empresa investe 14 milhões em fábrica em Ponte de Sôr

Empresa investe 14 milhões

Uma fábrica de transformação de resíduos sólidos indiferenciados em prodelix, produto que substitui a madeira, vai instalar-se em Ponte de Sôr, num investimento de 14 milhões de euros, revela o responsável da empresa.
Luís Lourenço, gerente da empresa, explica à Agência Lusa que a fábrica está, “inicialmente”, projectada para produzir europaletes (substitutas das paletes em madeira) e estacas para vedações, principalmente para a agricultura e floresta.
“A patente e o processo tecnológico são únicos no mundo, sendo um mercado ainda por descobrir”, afirma o responsável, prevendo que fábrica permitirá criar, numa primeira fase, cerca de 40 postos de trabalho.
A empresa “Fuschiafusion” tem como finalidade a valorização dos resíduos sólidos urbanos não metálicos, cabendo à unidade de Ponte de Sôr transformar resíduos como o plástico, cartão, tetra pak ou esferovite em prodelix, produto derivado do lixo e que substitui a madeira.
A fábrica vai ficar instalada num espaço da zona industrial de Ponte de Sôr, onde, em tempos, laborou uma outra unidade.
“Vamos começar as obras de requalificação e ampliação em Março e a fábrica vai começar a laborar em diversas fases. A primeira fase deverá estar concluída em Junho, a segunda em Dezembro e na totalidade em Fevereiro de 2015”, diz.
Segundo com Luís Lourenço, caso a empresa opte por trabalhar de forma continua, situação que deverá ocorrer para “rentabilizar” o investimento feito, o número de postos de trabalho poderá “duplicar”.
Este projecto “inovador” e patenteado implica um investimento de 14 milhões de euros, co-financiados em cerca de “seis milhões de euros reembolsáveis” por fundos comunitários.
Manifestando a esperança de desenvolver outros produtos na fábrica de Ponte de Sôr, Luís Lourenço adianta que estão a ser feitos contactos com o grupo IKEA para inserir o prodelix em móveis onde a madeira é aplicada.
Os resíduos sólidos indiferenciados vão ser fornecidos por várias empresas, como a Valnor, responsável pela reciclagem de lixo em 25 municípios, 15 deles do distrito de Portalegre, sete de Castelo Branco e três de Santarém.
“As empresas vão pagar-nos para absorver os resíduos. Esta é a prática em curso, uma vez que os resíduos sólidos que não estão a ser enterrados têm um pagamento estipulado para quem os absorver”, disse.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima