Embraer quer levar para Évora nova geração de aviões comerciais

Embraer quer levar para Évora

O vice-presidente da Embraer para a Engenharia e Tecnologia, Mauro Kern, admite novos investimentos para Portugal, entre eles "levar" para Évora a nova geração de aviões comerciais, os E2, que deverão estar no mercado em 2018.
"Temos intenção de levar estruturas significativas da nova geração de aviões comerciais – o E2 (segunda geração dos E-JETS) – lá para Évora. É um movimento no futuro, mas que faz todo o sentido, pois são aviões grandes, de estruturas complexas, mas onde Évora com a sua especialidade e tecnologia é perfeitamente adequada", disse à Lusa Mauro Kern, depois de ter mostrado a fábrica daquela que é uma das maiores construtoras aeronáuticas do mundo ao ministro da Economia português, António Pires de Lima, em missão oficial no Brasil.
Estes aviões, avança Mauro Kern, estão em fase de projecto, representam "algo muito importante para a Embraer" e "vão representar um fortalecimento da empresa no mercado da aviação comercial ao longo de muitos anos".
"Naturalmente, sendo Évora o nosso centro de excelência em estruturas, estamos a considerar fabricar lá partes importantes destes aviões", frisa.
Em Alverca, a Embraer tem a OGMA (Indústria Aeronáutica de Portugal), privatizada em 2005, e em Évora criou duas fábricas em 2012, que representaram um investimento de quase 180 milhões de euros e onde são construídas peças para o novo avião executivo Legacy 500 e para a aeronave militar KC-390.
"Portugal é um dos principais parceiros deste avião [KC-390] e queremos vê-lo voando pelos céus da Europa também", diz.
A construtora aeronáutica brasileira inaugurou, em Março, um centro de engenharia e tecnologia, nas suas instalações em Évora, e Mauro Kern avança à Lusa que este vai começar a operar no segundo semestre deste ano.
O centro de tecnologia vai desenvolver peças e estruturas em materiais compósitos.
Sobre a OGMA, o responsável destaca os resultados "muito positivos".
Mauro Kern não tem dúvidas: "Portugal é um grande parceiro, um parceiro estratégico hoje para a Embraer”.
“Nós estamos muito satisfeitos com o nível de parceria que temos", frisa.
Por isso, acrescenta, a Embraer "vai depender cada vez mais no futuro destes centros de excelência em Portugal”.
“As grandes estruturas dos aviões passam a ser produzidas em Portugal e a empresa está a começar também com iniciativas de pesquisa e desenvolvimento no país", conclui Mauro Kern.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima