Deputados de Beja questionam ministra da Agricultura na AR

Deputados de Beja questionam

Os deputados do PS, PCP e PSD eleitos por Beja apresentaram na passada semana uma série de questões à ministra da Agricultura sobre o futuro do sector na região.
As questões dos eleitos baixo-alentejanos surgiram durante a discussão no Parlamento sobre as Grandes Opções do Plano e o Orçamento do Estado (OE) para 2014 no que à agricultura diz respeito, com o socialista Luís Pita Ameixa a frisar que ambos os documentos “são omissos quanto ao projecto Alqueva, apesar de o mesmo assumir uma importância estruturante para o desenvolvimento do Alentejo e do país”.
Nesse sentido, Ameixa colocou diversas questões a Assunção Cristas, nomeadamente sobre a incerteza acerca das fontes de financiamento para a conclusão das obras, a demissão de João Bastos da presidência da EDIA e a incerteza quanto à nomeação de um novo presidente da para a empresa.
“Em resposta, a ministra da Agricultura reafirmou a data de 2015 para conclusão da obra. Contudo não se mostrou em condições de especificar as fontes de financiamento para essa mesma conclusão da obra” e “quanto ao futuro do conselho de administração da EDIA ficou ainda a incógnita”, adianta Pita Ameixa em comunicado.
Já o comunista João Ramos confrontou Assunção Cristas sobre o modelo económico de Alqueva, defendendo que um eventual aumento da produção agrícola e das exportações “pode não significar uma vida melhor para todos”.
“O Governo teima em confundir o sucesso de alguns com o sucesso do país. No distrito de Beja são produzidos essencialmente azeite e vinho. Os maiores exportadores de azeite são duas grandes empresas, até há pouco tempo embaladoras e agora também produtores. No sector do vinho, de entre os 10 maiores exportares, a primeira cooperativa aparece em sétimo lugar”, afirmou João Ramos.
O deputado do PCP manifestou ainda a sua preocupação com as notícias sobre intervenções da Autoridade para as Condições de Trabalho e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras em explorações agrícolas da região, onde é detectado “trabalho ilegal, trabalhadores clandestinos, trabalhadores menores, na quase totalidade emigrantes, com grande intervenção de empresas de trabalho temporário e salário abaixo do legalmente exigido”.
“Enquanto isto o Alentejo tem uma taxa de desemprego de 16,1% e o distrito de Beja tinha em Maio cerca de 17.000 desempregados”, acrescentou João Ramos, lamentando que sobre estes problemas a ministra nada tenha dito.
Finalmente, o social-democrata Mário Simões interpelou Assunção Cristas sobre as medidas previstas no OE 2014 para a agricultura de sequeiro, lembrando que cerca de 80% por solo arável no Alentejo é de sequeiro.
“Para os agricultores que não têm o privilégio de ter água nas suas terras, que medidas para os que continuam a ter pecuária extensiva, seriais de sequeiro ou montado. No caso concreto do montado que medidas estão previstas para a sua prevenção e protecção, bem como em termos de investigação”, questionou.
Simões perguntou ainda à ministra sobre os constrangimentos existentes para os agricultores “que não podem cultivar as suas terras devido à protecção e preservação da abetarda” e sobre “que medidas vão ser tomadas em relação à caça, que é um recurso importante para se poder retirar retorno de um número elevado de hectares no Baixo Alentejo”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima