Deputado do PS garante apoios à fileira do porco alentejano

Pedro do Carmo 1
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O deputado do PS eleito por Beja, que é também presidente da Comissão Parlamentar da Agricultura e Mar, promoveu reuniões com representantes do sector pecuário e procedeu a um conjunto de iniciativas que permitiram a disponibilização de um sistema de apoio às raças autóctones, caso do porco alentejano, no âmbito da pandemia.
Em comunicado enviado ao “CA”, Pedro do Carmo lembra que a pandemia “está a provocar relevantes impactos negativos no escoamento da produção da fileira do porco alentejano, em especial, nas vendas para o mercado espanhol tradicionalmente comprometido com a aquisição dos produtos de excelência da produção regional em regime de montanheira”.
Segundo o deputado do PS, o apoio agora garantido visa “mitigar os impactos negativos da ausência dos mesmos níveis de procura dos animais, procurando gerar um ambiente que permita a sustentabilidade das produções e das empresas, de modo a salvaguardar a capacidade produtiva do Mundo Rural de produtos diferenciadores e com grande potencial de exportação”.

É importante “manter uma vigilância de proximidade e uma intervenção sustentada que permita responder ao essencial do presente e acautelar o futuro da fileira do porco alentejano” e “manter a capacidade produtiva” do Mundo Rural.

Pedro do Carmo | deputado do PS eleito por Beja


“A par deste impulso de apoio às raças autóctones, orientado para a produção já concretizada, também têm sido desenvolvidas iniciativas para a existência de soluções no quadro do sistema bancário de conforto aos criadores que permita a acomodação da redução das vendas actuais e a capacidade para lançar um novo ciclo de produção na lógica do pós-pandemia ou do reforço da procura dos produtos de excelência dos territórios rurais nacionais”, acrescenta Pedro do Carmo.
O deputado socialista frisa ainda que, “num quadro de grande exigência e forte limitações impostas pela Covid-19”, é importante “manter uma vigilância de proximidade e uma intervenção sustentada que permita responder ao essencial do presente e acautelar o futuro da fileira do porco alentejano” e “manter a capacidade produtiva” do Mundo Rural.

Opinião

Carlos Pinto

22 de Janeiro, 2021

O Nosso pior pesadelo!

Napoleão Mira

22 de Janeiro, 2021

Ditadura das pessoas de bem

Carlos Pinto

8 de Janeiro, 2021

Entrar em 2021 de “pé esquerdo”

Vítor Encarnação

8 de Janeiro, 2021

Casa do Alentejo

Carlos Pinto

18 de Dezembro, 2020

Pessimismo ou optimismo?

Napoleão Mira

18 de Dezembro, 2020

Um conto de Natal quase verdadeiro

Anterior
Seguinte

EM DESTAQUE

ULTIMA HORA

Role para cima