Costa reuniu com socialistas de Beja e criticou Governo

Costa reuniu com socialistas

António Costa defende ser preciso travar a política do Governo de "retrocesso social" e de confrontação com os portugueses, as instituições e a Constituição da República.
"Os portugueses já disseram que é preciso travar esta política, parar com a lógica do retrocesso social, com a confrontação com os portugueses, as instituições e a Constituição, com a divisão de tudo e de todos", disse António Costa esta sexta-feira, 4, em Beja.
O também presidente da Câmara de Lisboa, discursava numa sessão com militantes e simpatizantes do PS, no âmbito da sua campanha para a liderança do partido, cujas eleições primárias estão marcadas para 28 de Setembro deste ano.
"É necessário devolver pacificação à sociedade portuguesa", defendeu António Costa, referindo que "pior ainda do que os sacrifícios que se vivem no presente é esses sacríficios serem sofridos sem haver qualquer perspectiva de futuro, qualquer sentido de esperança, de confiança no futuro".
Segundo o candidato, para "recuperar esse sentido de futuro", Portugal tem de "vencer" o "círculo vicioso de vistas curtas" em que "o Governo se bloqueou e tem vindo a bloquear o país".
"Temos que ser capazes de ver mais longe e, ver mais longe, tem que ser centrarmo-nos de uma por todas não simplesmente nos sintomas da crise, mas em atacar as causas profundas da crise, que temos vindo a atravessar", afirmou.
Portugal tem de "voltar a convergir com a União Europeia, mas, para o fazer, não é nesta estratégia de empobrecimento que o Governo quis prosseguir. Não é esmagando direitos, cortando salários, empobrecendo o colectivo da sociedade que vamos ser capazes de ser mais competitivos", alertou.
Segundo António Costa, Portugal tem de ter "capacidade de compromisso político, que é indispensável, capacidade de mobilizar a concertação social, que é essencial, e sobretudo a capacidade de mobilizar o conjunto dos agentes sociais em torno destes objectivos".
"Mas para conseguirmos romper a impossibilidade de compromissos, temos de ter um governo forte, que dê estabilidade, seja capaz de sustentar uma agenda de médio prazo, falar com todos e se dirija a todos", disse, referindo que "esse Governo, para existir, precisa de um PS forte".
Para a "resolução dos problemas estruturais que têm asfixiado" a capacidade de desenvolvimento de Portugal, António Costa defendeu uma "agenda para a década", que concentra "esforços" em quatro domínios, ou seja, reforço da coesão social, modernização do tecido empresarial e da administração pública, investimento na cultura, educação e ciência e valorização dos recursos do país, sobretudo a língua, o território e as pessoas.
No domínio das pessoas, António Costa defendeu como "prioridade o combate ao desemprego e a reocupação e a devolução à actividade de todos os milhares de desempregados que tem vindo a aumentar com toda a brutalidade social ao longo dos últimos três anos em Portugal".
No domínio da administração pública, António Costa considerou necessário "reforçar as competências das autarquias e criar, de uma vez por todas, uma instância regional que seja capaz de assumir os destinos de uma região e de pensar acima da escala do município", para Portugal "ter uma visão de conjunto essencial a podermos ter uma estratégia com impacto para o desenvolvimento".

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

DECO promove atendimento em Odemira

Esclarecer dúvidas sobre os direitos do consumidor em diversas áreas é o grande objetivo das sessões gratuitas de atendimento que a DECO – Associação Portuguesa

Role para cima