Agricultura no campo branco

Quinta-feira, 4 Fevereiro, 2016

Carlos Pinto

director do correio alentejo

O “CA” publica nesta edição um especial de oito páginas dedicado à actividade agrícola no Campo Branco e, sobretudo, ao trabalho que a Associação de Agricultores do Campo Branco (AACB), com sede em Castro Verde, tem vindo desenvolver ao longo dos últimos 27 anos. Um percurso meritório, de grande persistência e inegável excelência, que merece todos os elogios e que tem contribuído fortemente para a consolidação do sector nesta região.
É por tudo isto que a agricultura é hoje um dos pilares económicos do Campo Branco, apenas suplantado pela actividade mineira. Mas o futuro que se avizinha é de grande exigência e complexos desafios. Sem água para avançar para outras culturas mais rentáveis e com a forte concorrência de uma economia globalizada (com tudo o que isso tem de positivo e negativo), que caminho devem os agricultores percorrer no sentido de garantir a sua subsistência no tempo? A resposta é tudo menos simples, mas parece óbvio que o rumo a seguir deve continuar a privilegiar uma actividade agrícola conciliada com a pecuária e que, em simultâneo, dinamize o potencial turístico, associado à natureza e à avifauna, que este território possui.
A missão – convenhamos – está longe de ser fácil, mas até à sua concretização é desde logo necessário que algumas das ferramentas e estratégias que já estão no terreno não sejam “ceifadas” pelas burocracias de Lisboa (ou Bruxelas). E aqui falamos da suspensão das candidaturas às medidas agro-ambientais em vigor, situação que deve o mais rapidamente ser rectificada sob pena de colocar sobre os ombros dos agricultores o elevado peso da insustentabilidade. Se assim não for, tudo se complicará. E sabemos bem que um território sem lavoura é, inegavelmente, um território mais pobre. Em todos os sentidos!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima