CM Mora quer recuperar antiga estação ferroviária

CM Mora quer recuperar

A recuperação da antiga estação ferroviária de Mora, candidatada a financiamento comunitário e com um investimento próximo dos 2,5 milhões de euros, é a prioridade do presidente do Município, Luís Simão, para este novo mandato.
“Poderá ser a obra do mandato e é uma prioridade para o município”, assumiu à Agência Lusa Luís Simão, reeleito pela CDU nas últimas autárquicas.
O projecto já foi candidatado ao programa regional InAlentejo, porque envolve “um investimento de quase 2,5 milhões de euros” que a autarquia não consegue suportar sozinha, estando o Município esperançando numa decisão favorável.
“Estamos a aguardar a decisão do InAlentejo, que deve ser tomada dentro de pouco tempo, mas espero que seja positiva e que o projecto ainda possa ser financiado por este quadro comunitário de apoio”, frisou o autarca.
Caso tal não aconteça, a recuperação da estação ferroviária vai ficar a aguardar pelo próximo quadro comunitário de apoio para passar do “papel” para o terreno.
“Do que já tive oportunidade de ler e de ouvir sobre o próximo quadro de apoio, parece-me que temos algumas opções para enquadrar esta obra”, acrescentou.
O projecto, “assinado” pela CVDB Arquitectos Associados, prevê a reestruturação e requalificação da antiga estação ferroviária e a construção de um novo edifício, onde vai ser criado, entre outras valências, o Museu Interactivo do Megalitismo.
Mora é “um dos concelhos do Alentejo mais ricos em vestígios megalíticos”, lembrou Luís Simão, explicando que o museu, “muito virado para a interactividade e novas tecnologias”, quer valorizar e promover esse património.
“Queremos que as pessoas que nos visitam tenham cada vez mais valências à sua disposição, para ficarem mais tempo no concelho. Este vai ser mais um ponto de grande atractividade”, tal como o Fluviário e outros já existentes, afiançou o autarca.
O espaço vai albergar também o arquivo e biblioteca municipais, a sede da associação Estação Imagem, dedicada à fotografia, um centro de tratamento de fotografia e um espaço de exposições.
“Se o Alentejo pretende ter obras que possam valorizar o território, esta é uma dessas obras e vai ser muito importante para Mora e para o próprio distrito de Évora”, argumentou.
A continuação dos apoios sociais que a câmara atribui à população e a manutenção do cariz municipal do sistema de abastecimento de água são as outras prioridades do mandato.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima