Carlos Moedas deixa Governo e vai para Bruxelas

Carlos Moedas deixa

O bejense Carlos Moedas, actualmente secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, foi o nome indicado pelo Governo para integrar a futura Comissão Europeia.
Durante os últimos dias o nome da ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, era o mais ventilado para integrar a a nova equipa liderada por Jean Claude Juncker, o sucessor de Durão Barroso, mas esta quinta-feira, 31 de Julho, à noite Pedro Passos Coelho optou por escolher Moedas, um homem da sua confiança e que foi sempre o “elo” de ligação entre o Governo e as entidades da “troika”.
Nascido em Beja há 43 anos, filho do antigo jornalista José Moedas, Carlos Moedas é licenciado em engenharia civil pelo Instituto Superior Técnico e com um MBA em Harvard (EUA), tendo trabalhado muitos anos no estrangeiro em instituições como o grupo Suez Lyonnaise des Eaux ou o banco Goldman Sachs.
Em 2011 tornou-se conhecido em Portugal por ser o “braço-direito” de Eduardo Catroga, representante do PSD nas negociações com o então Governo de José Sócrates e a “troika”.
Nesse mesmo ano, a 5 de Junho, acabaria por ser eleito deputado do PSD pelo distrito de Beja, acabando por não chegar ao Parlamento, uma vez que passado pouco mais de uma semana foi nomeado por Passos Coelho para ser seu secretário de Estado adjunto.
Carlos Moedas deixa agora Lisboa e ruma a Bruxelas, não sendo ainda conhecida a pasta que vai assumir na nova Comissão Europeia.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima