Campeão do mundo de Jiujitsu no Castrense

Campeão do mundo

O campeão do mundo da arte marcial Jiujitsu na categoria Pluma está desde o início do mês de Outubro ao serviço do FC Castrense, onde quer ganhar o título europeu.
Depois de ter sido campeão mundial, sul-americano e pan-americano, Mauro Lago sonha com o ceptro europeu e Castro Verde foi o destino escolhido para alcançar essa ambição.
“Lutar no Europeu é um sonho, pois é o único título que ainda não disputei… Já fui campeão sul-americano, pan-americano e mundial e agora só me falta ser campeão da Europa. É um título que quero juntar ao meu currículo e a ideia é preparar-me para o Europeu, que se realiza em Lisboa em Janeiro de 2014, onde vou representar o FC Castrense e Castro Verde”, revela ao “CA” Mauro Lago, de 35 anos, que em Abril trocou o Brasil por Portugal e acabou por chegar à pacata vila do Campo Branco no final de Setembro.
“Sou de Belo Horizonte, que é uma grande cidade, uma metrópole, e Castro Verde é uma localidade muito calma. Mas isso é fantástico para quem vem para cá como eu vim – eu sou um atleta e estou aqui com o intuito de lutar pelo Europeu”, diz.
Praticante de Jiujitsu brasileiro [uma vertente da modalidade original] há duas décadas, Mauro Lago é uma das grandes figuras mundiais da arte marcial a que os especialistas chamam de “arte suave”.
Depois de uma experiência de oito meses na cidade norte-americana de Hartford, o atleta brasileiro tem em Portugal a sua segunda “aventura” no estrangeiro.
Chegou em Abril para dar aulas no Porto, mas o Verão levou-o para o Algarve. Foi aí que teve a oportunidade de conhecer, por intermédio de um amigo comum, o presidente do FC Castrense e mudar-se para Castro Verde.
“O Carlos Alberto Pereira me abriu as portas do FC Castrense e a partir daí ficou tudo muito mais fácil. Além do mais, o sonho de todo o atleta brasileiro é desenvolver um trabalho na Europa, onde a gente tem possibilidade de ganhar bem melhor”, revela Mauro Lago, que vai aproveitar a sua estadia no Baixo Alentejo para se preparar para o Europeu e dar aulas de Jiujitsu.
“Portugal já tem um trabalho muito bonito no Jiujitsu e já há muitos adeptos da modalidade. Mas foi uma surpresa para mim ver uma área tão grande como o Alentejo com poucos lugares praticando esta arte. Por isso, espero fazer aqui um bom trabalho. Quero ‘fazer’ atletas e conseguir colocá-los disputando provas nacionais”, explica o “mestre”, garantindo que o desafio é elevado.
“O FC Castrense, pelo que já me apercebi, é uma equipa forte em tudo o que faz, tem nome e quero que o tenha também no jiujitsu. Estou adorando estar aqui e espero que o meu trabalho seja tão bem feito como é bem feito o trabalho que vejo em Castro Verde”, conclui.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima