Câmara de Mértola critica reintrodução do lince-ibérico

Câmara de Mértola critica

A Câmara de Mértola critica o processo de reintrodução do lince-ibérico na natureza, considerando que este foi “mal preparado” e desconsiderou a população do concelho.
O casal de linces Jacarandá e Kathmandu foi libertado esta terça-feira, 16, no Parque Natural do Vale do Guadiana, no concelho de Mértola, num momento considerado “histórico” pelo ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, que anunciou a libertação de mais oito animais nos tempos próximos.
Contudo, o processo merece duras críticas por parte da Câmara de Mértola, que assume não ter participado directamente no mesmo por o considerar “apressado, mal preparado, incorrecto e até em desconsideração da população do concelho de Mértola”.
Em comunicado, a autarquia lamenta que o Ministério não se tenha preocupado em reunir na altura “com proprietários, gestores, caçadores, agricultores e populações, para ouvir as suas preocupações e a sua opinião”.
“Permanecem muitas questões por responder, que podem implicar directamente nas actividades que hoje se desenvolvem no território”, acrescenta a autarquia, considerando que “foi tudo gerido do ponto de vista estritamente político, apressado, escolhendo talvez a pior altura para a solta, depois da época de caça onde foram abatidos uma parte dos coelhos [bravos]”, que são a base da alimentação do lince-ibérico.
Tudo isto leva a autarquia a ter uma posição desfavorável “à reintrodução” do lince, à imagem do que sucede com “a esmagadora maioria dos caçadores, dos proprietários ou gestores, de os agricultores”, tendo o Ministério avançando com o processo apenas com a concordância “de alguns poucos proprietários, que no seu conjunto têm menos de 5.000 hectares não contíguos”.
“Não basta soltar o lince, para o processo ser responsável, têm de se criar condições para o manter, o que não aconteceu até aqui”, reforça o comunicado da Câmara de Mértola, lembrando ainda que o território escolhido “é cruzado por imensas estradas, que além de não permitirem ao animal o sossego exigido, são um perigo constante devido às fortes possibilidades de atropelamento”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima