“Beja tem o desígnio de liderar processos de mudança”

Rui Marreiros (EMAS)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O projeto “Beja Sustentabilidade Global” é uma aposta do município para promover a economia circular e mitigar as alterações climáticas. Um desafio ambicioso, mas que o vice-presidente da autarquia, Rui Marreiros, diz ser necessário para alterar comportamentos.

Quais as principais metas do projeto “Beja Sustentabilidade Global”, promovido pela Câmara Municipal?

Este projeto pretende promover ações na área do ambiente por parte do município, empresas municipais e intermunicipais, e centros de investigação, num trabalho conjunto e de proximidade. Alavancando parcerias de elevado valor acrescentado, envolvendo toda a comunidade nos processos de transformação para adotar as melhores práticas e soluções inovadoras, que garantam a sustentabilidade dos recursos naturais, promovendo a economia circular e mitigando os efeitos dos desafios que temos em mãos, como são as alterações climáticas. Diria, portanto, que a meta, passa por valorizar todo o trabalho de mérito que é realizado no concelho e que muito contribui para o desenvolvimento sustentável da região, posicionando Beja como uma referência no que respeita às boas práticas para a sustentabilidade.

Que tipo de ações têm sido desenvolvidas no âmbito deste projeto?

Numa primeira linha começámos por comunicar as ações de rotina, mas de extrema importância, levadas a cabo pelas nossas equipas operacionais, das quais resultam uma melhoria significativa não só para o ambiente, mas também para a qualidade de vida da população, em áreas tão estratégicas, como a gestão de resíduos, as zonas verdes ou o uso eficiente da água, entre outras. Nesta estratégia integrada em políticas públicas municipais para o ambiente, temos promovido várias ações, podendo destacar as comemorações da Semana Europeia da Prevenção de Resíduos, realizadas sobre o mote “Beja Cidade Limpa”, em que realizámos ações de proximidade com os moradores do centro histórico, no âmbito da recolha seletiva porta-a-porta. Também [se pode destacar] a realização e total apoio ao II Energy and Climate Summit, dedicada ao tema da “Água”, que recebeu centenas de participantes durante dois dias, apresentando oradores de referência nacionais e internacionais. E por falar em água, a “Liga do Ambiente”, esta última mais direcionada à sensibilização das futuras gerações.

­Sente que as populações estão hoje mais sensibilizadas para a questão da sustentabilidade e da economia circular?

Indiscutivelmente que sim. Muito fruto de projetos desta natureza, como é exemplo o “Beja Sustentabilidade Global”, que coloca na agenda do dia todos estes temas relacionados com a sustentabilidade, contribuindo para o aumento da literacia ambiental, o que por sua vez origina uma maior consciencialização e alteração de comportamentos. Esta transição para a circularidade é um caminho que todos temos de percorrer.

Referiu-se ao projeto “Liga do Ambiente”, que também integra o projeto “Beja Sustentabilidade Global”. Qual a mais-valia desta ação, direcionada para a comunidade escolar do concelho?

O trabalho com a comunidade escolar faz parte do nosso desígnio e é neste sentido que surge a “Liga do Ambiente”. Num contexto em que as questões ambientais, como são o valor da água, as alterações climáticas, a economia circular, a mobilidade sustentável, a gestão de resíduos ou a eficácia energética, entre outros, estão na ordem do dia e com enorme impacto no nosso território em particular, torna-se, portanto, crucial alavancar os temas da sustentabilidade e da consciencialização ambiental. Com esta nova iniciativa e modelo lúdico-pedagógico estamos seguramente a contribuir para a transformação de hábitos e comportamentos, no que concerne e em especial à defesa e valorização do meio ambiente.

Este projeto é para continuar nos anos letivos seguintes?

Terminadas as primeiras sessões da tour “Liga do Ambienet”, que decorreram na Escola de Mário Beirão, o balanço é extremamente positivo, atendendo à afluência e recetividade por parte comunidade escolar. Destacar que todas as 32 turmas do segundo e terceiro ciclo participaram na iniciativa, permitindo envolver um número aproximado de 1.000 alunos numa só escola. Estes resultados atestam e motivam-nos a dar continuidade, com os devidos ajustes que são naturais para um projeto pioneiro como este.

“Beja é uma referência no que respeita às boas práticas para a sustentabilidade.”

Mais antigo é o projeto “Heróis da Água”, dinamizado através da EMAS e que já celebrou 10 anos. Qual o seu balanço?

Indiscutivelmente que a experiência adquirida pelo projeto “Heróis da Água” é a base do sucesso dos projetos que temos vindo a desenvolver. O mesmo permitiu estreitar e fortalecer relações com a comunidade e os objetivos que, ano após ano, temos vindo a alcançar só comprovam que esta foi uma aposta ganha. Neste sentido, o balanço é extremamente positivo, sendo este um dos projetos-âncora que, pelo seu trajeto, se encontra num estado mais elevado de maturidade.

Quantas crianças já participaram nesta iniciativa?

São 10 anos em contínuo, sendo difícil concretizar o número efetivo de participantes. Mais que o número, que em média ronda as 2.000 crianças por ano letivo, importa destacar as gerações com as quais nos temos cruzado. Desde 2012 que estamos a contruir o futuro.

Qual é a mais-valia do projeto?

O projeto “Heróis da Água”, sendo reconhecido e premiado a nível nacional, também tem sido alvo de diferentes estudos. Em comum, evidenciando o relatório do MIES – Mapa de Inovação e Empreendedorismo Social, que distinguiu o projeto como sendo uma iniciativa de elevado potencial em empreendedorismo social, a mais-valia assenta na capacidade de promover a mudança de hábitos e comportamentos através da capacitação dos participantes das sessões de sensibilização ambiental,  promove o desenvolvimento sustentável e alerta para a defesa dos recursos hídricos e naturais. Paralelamente, através das suas dinâmicas locais, impulsiona a economia local, sendo catalisador de novas oportunidades.

Cumpridos 10 anos, que futuro terá o projeto?

O nosso nível de compromisso com os “Heróis da Água” e com a comunidade escolar fará com que seguramente este projeto continue a fazer parte das nossas ações privilegiadas. Continuaremos a inovar e a apresentar novos temas, podendo adiantar que neste ano letivo iremos ter uma novidade: o alargamento e maior envolvimento dos nossos colaboradores nas sessões presenciais, em que os mesmos vão integrar as sessões presenciais nas salas dos seus educandos, acompanhando a assim a equipa do projeto. Porque “Heróis da Água” somos todos nós! Além do destaque natural enquanto capital de distrito, Beja tem o desígnio de liderar e conduzir processos de mudança nas mais diversas áreas.

Opinião

Napoleão Mira

20 de Janeiro, 2023

O Codex 632

Carlos Pinto

20 de Janeiro, 2023

Habitação, um problema sério

Carlos Pinto

6 de Janeiro, 2023

Saúde débil

Vitor Encarnação

6 de Janeiro, 2023

Ano Novo

Carlos Pinto

16 de Dezembro, 2022

Marcelo, o “omnipresente”

Napoleão Mira

16 de Dezembro, 2022

Leve-Leve

Anterior
Seguinte

EM DESTAQUE

ULTIMA HORA

Role para cima