Beja integra rede de "cidades inteligentes"

Beja integra rede de

Beja vai integrar a rede ibérica de cidades inteligentes que Portugal e Espanha vão criar para resolver problemas conjuntos e partilhar experiências no âmbito das TIC.
O acordo que rege o projecto é assinado esta quarta-feira, 13, em Lisboa por representantes da Rede de Inovação Urbana (RENER) e da Rede Espanhola de Cidades Inteligentes (RECI), anunciou o presidente da entidade espanhola e presidente da Câmara de Santander, Iñigo da Serna.
Concretiza-se assim o acordo alcançado em Outubro por responsáveis de vários municípios portugueses da RENER que se reuniram, em Santander, com responsáveis de instituições e cidades congéneres espanholas para procurar espaços e iniciativas de cooperação.
A criação da rede ibérica procura melhorar a competitividade económica, a sustentabilidade ambiental, o desenvolvimento cultural, a inclusão social e os serviços públicos através das novas tecnologias de informação e comunicação (TIC).
Mediante este acordo, a RENER e a RECI partilharão informação, conhecimento, experiência e boas práticas sobre as cidades inteligentes, desenvolverão actividades conjuntas de vigilância tecnológica e colaborarão na definição de indicadores que contribuam para o desenvolvimento das smart cities, explica De la Serna em comunicado.
Paralelamente promoverão ainda a colaboração com outras cidades na Europa, América Latina e África.
Os membros da rede ibérica participarão também, de forma conjunta, em projetos europeus do próximo período de programação (2014-2020), explorando também “o potencial de cooperação transfronteiriça no espaço" e em ilhas em cidades inteligentes, aproveitando-se de algumas estruturas em operação.
Pretendem ainda lançar desafios às empresas dos dois países para o desenvolvimento, em parceria, de soluções urbanas inovadoras que respondam às necessidades das cidades, segundo o presidente da RECI.
"Espanha e Portugal partilham não só um espaço físico, como é a Península Ibéria, mas também o interesse comum de que as nossas cidades estejam cada vez mais avançadas tecnologicamente", disse Da Serna recentemente.
A inovação, considerou, deve ser colocada "ao serviço dos cidadãos e impulsionar o setor produtivo, ajudando a gerar atividade económica e emprego nos dois territórios".
O "Living Lab RENER – Rede de Inovação Urbana", liderado pela INTELI e membro da Rede Europeia de Living Labs, é definido como "um laboratório vivo que integra 25 cidades portuguesas, funcionando como espaço de teste e experimentação de soluções urbanas inteligentes em contexto real".
A iniciativa privilegia "uma filosofia de inovação aberta e de cocriação com forte envolvimento dos utilizadores e cidadãos", permitindo criar "um palco de partilha de experiências e boas práticas com capacidade de replicação noutras cidades e regiões, quer a nível nacional, quer internacional".
O projecto nasce associado ao Programa Nacional de Mobilidade Eléctrica e as cidades envolvidas têm servido para testes para a introdução do veículo eléctrico em Portugal, tanto no que toca às infra-estruturas de carregamento como da respectiva rede de gestão e informação.
O objectivo, explica a página da rede na Internet, é "alargar a intervenção do RENER a outras áreas de inteligência urbana, como a eficiência energética, energias renováveis, gestão da água e resíduos, governação, inovação social, entre outras, criando uma rede de cidades inteligentes em Portugal".
Além de Beja, integram ainda a RENER as localidades de Almada, Aveiro, Braga, Bragança, Cascais, Castelo Branco, Coimbra, Évora, Faro, Guarda, Guimarães, Leiria, Lisboa, Loures, Portalegre, Porto, Santarém, Setúbal, Sintra, Torres Vedras, Viana do Castelo, Vila Nova de Gaia, Vila Real e Viseu.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima