BE critica “lobby agrário” de promover trabalho escravo

BE critica “lobby

O Bloco de Esquerda (BE) acusa PS, PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal e Chega de serem “lobby agrário” e permitir que se continue a promover o “trabalho escravo” na região e a “expansão selvagem dos olivais e amendoais intensivos e super-intensivos”.
Em causa estão os projecto de Lei e de Resolução apresentados pelo BE no Parlamento, que propunham “a suspensão das plantações destas culturas até à sua regulamentação”, mas que acabaram por ser chumbados.
“O alinhamento do PS com a direita, não constituindo novidade, é mais grave porque o partido do Governo não apresentou alternativas nem permitiu que outras fossem discutidas na especialidade, em busca das melhores soluções para uma situação reconhecidamente caótica e insustentável”, sublinham os bloquistas em comunicado.
Segundo o BE, a campanha do último Inverno, “considerada histórica, fez acumular enormes stocks e a sua exportação está ameaçada pela queda do preço do azeite nos mercados internacionais”. “As tulhas e os lagares estão cheios, as fábricas de bagaço de azeitona rebentam pelas costuras e laboram com enormes danos para o ambiente e a saúde das populações: Fortes é caso mais gritante”, acrescentam.
O BE afirma ainda que, “para além de outros crimes ambientais e económicos, o lobby agrário promove o trabalho escravo associado ao modelo anti-social de sub-contratação de seres humanos pelo mais baixo preço, na mira do lucro máximo e imediato”. “A pandemia pôs à vista os riscos desta opção para a saúde pública”, acrescenta.
Para os bloquistas, “face ao bloqueio legislativo da maioria afecta ao lobby agrário, reforça-se o papel dos movimentos sociais que se erguem no Alentejo em defesa da qualidade de vida e da saúde pública”.
Nesse sentido, o BE “manifesta total solidariedade às populações e aos cidadãos indignados com a destruição dos solos, o corte de linhas de água e de caminhos municipais, o cerco das vilas, aldeias e escolas por culturas super-intensivas, as pulverizações com pesticidas que envenenam os poços, as ribeiras e a própria atmosfera”. “Não é por acaso que as doenças do foro respiratório têm crescido no Alentejo”, concluem.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima