Autarca de Portalegre satisfeita com primeiros meses de mandato

Autarca de Portalegre satisfeita

A presidente da Câmara de Portalegre, Adelaide Teixeira (independente), faz um balanço positivo dos primeiros quatro meses de mandato, mas a oposição PS e CDU consideram que se tem verificado um “retrocesso democrático" no Município.
Eleita, com maioria absoluta, pelo movimento Candidatura Livre e Independente por Portalegre (CLIP), Adelaide Teixeira disse, em conferência de imprensa, que "o balanço dos primeiros 120 dias de mandato é positivo” e que tem tido “um bom feedback” por parte da população.
O actual executivo municipal é composto por quatro eleitos da CLIP, dois do PS e um da CDU.
A captação de investimento e apoio aos investidores tem sido uma das “prioridades” da autarca, bem como o apoio às áreas da educação, acção social, habitação no centro histórico, cultura, juventude e desporto.
Adelaide Teixeira lamentou que a oposição tenha seguido um caminho de “apenas marcar agenda e de manter a sobrevivência política”, puxando para a ordem do dia assuntos ou projectos que o Município já tem em desenvolvimento.
“A oposição tomou uma atitude de tentar antecipar tudo aquilo que já está a ser tratado. Quando pensam em fazer, as coisas já estão a ser executadas e delineadas”, disse.
Do lado da oposição, o vereador socialista Miguel Monteiro disse à Agência Lusa que os primeiros quatro meses de maioria absoluta da CLIP revelam uma “dissonância completa” entre o percurso que serviu para vencer as eleições e, depois, desde a tomada de posse.
“O que foi sempre dito, antes das eleições, é que estavam [CLIP] disponíveis para trabalhar com a oposição na resolução dos problemas, mas na prática isso não aconteceu”, disse.
Para Miguel Monteiro, a presidente da câmara e os eleitos da CLIP “mais não fizeram” do que “enganar” os munícipes com a sua actuação, tendo colocado em prática uma “política do eu quero, posso e mando”.
Também em declarações à Lusa, o vereador da CDU Luís Pargana criticou o “estilo de governação” e a “concentração” de poderes na presidente da Câmara, lamentando que a maioria rejeite “todas as propostas e contributos” apresentados pelos eleitos da oposição.
“Estamos ainda a tempo de que esta maioria absoluta repense a sua forma de governação, a sua estratégia de desenvolvimento para Portalegre, de bem-estar social e que possa vir a cumprir aquilo que prometeu nas eleições”, disse.
Para Luís Pargana, os eleitos da CLIP têm-se “fechado” no seu ciclo de apoio e “desprezado” a oposição, considerando ainda que este “não é um bom caminho”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima