Autarca de Ourique aponta desafios do porco alentejano

Autarca de Ourique aponta desafios do porco alentejano

São grandes os desafios que o sector do porco alentejano tem pela frente! A opinião pertence ao presidente da Câmara Municipal de Ourique, que continua a ver na actividade (e no Mundo Rural) uma das “molas impulsionadoras” da economia local, capaz de gerar emprego e criar riqueza. Para Marcelo Guerreiro, um dos grandes desafios que o sector enfrenta é “continuar a aumentar a criação, a transformação e a exportação, com qualidade e sustentabilidade”. Isto enquanto se depara com as “questões colocadas pela abertura de novos mercados e por uma tentação da burocracia e dos burocratas, em especial em Bruxelas, de colocarem em causa pilares tradicionais da criação e da produção agro-alimentar e animal do Mundo Rural”, acrescenta.
Ao mesmo tempo, o autarca defende a “valorização da qualidade” dos produtos associados ao porco alentejano. Temos de “ganhar escala, sem perder qualidade, retirando as mais-valias da criação através da transformação e incorporando inovação e certificação a par dos produtos tradicionais, pode ser uma boa linha de acção”, argumenta.
Nesse sentido, Marcelo Guerreiro entende ser “importante continuar a investir nas capacidades e no território” do Mundo Rural. “Mesmo quando os outros poderes deixam de comparticipar nos caminhos ou na electrificação rural, o Município [de Ourique] procura ter contas equilibradas para não deixar de intervir”, observa.
Seguindo esta linha de raciocínio, o edil do PS revela que a Câmara de Ourique tem muitas ideias, projetos em andamento e “uma firme determinação em continuar o trabalho de afirmação de Ourique como referência da capacidade produtiva do Baixo Alentejo”.
“‘Ourique Capital do Porco Alentejano’ não é uma circunstância, é uma oportunidade de desenvolvimento, que vamos continuar a agarrar com as duas mãos”, garante Marcelo, para logo acrescentar: “Quem tem a noção da importância da criação de emprego para a fixação de população e para o combate à quebra da natalidade, nunca descansa à sombra dos resultados obtidos. É o que procuramos fazer: responder ao presente e lançar sementes de futuro”.

Importante âncora
Se os desafios que o sector tem pela frente são exigentes, o trabalho feito até aqui de consolidação da marca “Ourique Capital do Porco Alentejano” não lhe fica atrás. “Foi uma visão, com investimento, que deu e dá resultados”, sublinha Marcelo Guerreiro, elogiando a visão política de Pedro do Carmo “ao apostar na fileira”, a relevância da ACPA “como parceira da estratégia de desenvolvimento local” e “a mobilização da comunidade na afirmação desta dimensão de Ourique”.
Tudo isto leva o autarca a reconhecer que a produção de porco alentejano, não sendo a única, é “uma importante âncora de desenvolvimento local” em Ourique. Por isso mesmo, anuncia que a Câmara Municipal vai, nos próximos anos, trabalhar com outras instituições para estudar os impactos das apostas feitas no porco alentejano “como alavanca de desenvolvimento local”. “A ideia que existe é a de que há um antes e um depois da aplicação da estratégia de valorização do porco alentejano como activo económico, de identidade e de afirmação territorial”, diz
E é olhando ao longo caminho percorrido que o autarca lança o alerta: “Podemos sempre melhorar, mas quem nunca fez nada no passado pode sempre ter a tentação de abocanhar um trabalho que é de Ourique e dos ouriquenses. Até por isso importa, cada vez mais, ter ideia do valor do trabalho realizado para que as ameaças políticas sobre a fileira ou as propostas da sua destruição sejam descabidas”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima