Atendimento social nas freguesias de Castro Verde

Atendimento social

Madalena e Ester Narciso saem do edifício da Junta de Freguesia de São Marcos da Atabueira de braço dado e a sorrir, depois de consultarem o novo serviço de atendimento social da Câmara de Castro Verde nas freguesias. Perguntaram, foram esclarecidas e gostaram!
“Acho que esta é uma óptima ideia! Virem até aqui é mais fácil que irmos à Câmara e gostei muito como fui atendida. A rapariga é muito simpática e sobre o que queria saber fiquei esclarecida”, afiança ao “CA” Madalena Narciso, de 72 anos, sem se deter. “Tinha uma dúvida sobre o cartão Social e agora fiquei esclarecida. Mas como tenho a mania de fazer perguntas daqui a 15 dias posso vir de novo com outra questão”, acrescenta bem-humorada.
Ao lado, Ester Narciso, de 62 anos, é mais comedida nas palavras, mas partilha a opinião da irmã. “Assim é mais fácil obtermos alguns esclarecimentos. É muito bom para nós e acho que fazem muito bem virem até cá”, sublinha.
São Marcos da Atabueira é uma das paragens do novo serviço de atendimento social da Câmara de Castro Verde nas freguesias. O projecto arrancou a 3 de Setembro e de 15 em 15 dias vai levar técnicos do Gabinete de Acção Social da autarquia às localidades de Casével, Entradas, Santa Bárbara de Padrões e São Marcos da Atabueira. Tudo para reforçar a proximidade da edilidade com as populações e contribuir para a melhoria das condições de vida dos munícipes.
“Trata-se de um compromisso político assumido publicamente antes das eleições e que agora estamos a concretizar, fazendo com que a Câmara esteja muito presente em todas as freguesias”, justifica ao “CA” o presidente da autarquia castrense.
António José Brito lembra que a população do concelho “é muito envelhecida e na maioria dos casos não tem transporte próprio ou não consegue aceder a transporte público”. “Deste modo, vamos promover a proximidade com as pessoas, levando quinzenalmente os técnicos do Gabinete de Acção Social do Município às sedes de freguesia do concelho, incluído Casével, para prestar atendimento e identificar as verdadeiras carências das populações, prestar informações e fazer diagnósticos nas diferentes áreas sociais”, acrescenta.
O presidente da Câmara de Castro Verde sublinha que “a proximidade com as pessoas é uma questão essencial” para o seu executivo, daí a aposta feita neste novo serviço.
“Este trabalho permitirá, por exemplo, esclarecer questões mais simples associadas ao Cartão Social ou às diferentes medidas de emprego, mas também vamos prestar aconselhamento e encaminhamento para resolver os vários problemas das pessoas, nomeadamente a prevenção de situações de pobreza e exclusão social”, esclarece.
Um esforço que Ana Maria, de 40 anos, agradece. “Claro que [este serviço] é bom, pois há muitas pessoas que não têm possibilidade de ir [à Câmara]. Isto facilita muito a vida, sobretudo para quem não tem transporte”, reconhece esta habitante de São Marcos da Atabueira, que também recorreu ao serviço de atendimento social no primeiro dia em que este passou pela aldeia. “Vim para perceber o que era e também por algumas coisas que queria esclarecer. Gostei”, afiança.
A nova resposta social da Câmara de Castro Verde está ainda no início, mas o presidente da autarquia garante que esta é para ser reforçada ao longo do tempo. “Uma das áreas a consolidar será as visitas ao domicílio para identificação de situações de carência e fragilidade social e económica. Há um enorme trabalho a fazer e este diagnóstico permitirá dar respostas e, por outro lado, agir numa perspectiva de prevenção de situações de pobreza e exclusão social”, vinca.
Para António José Brito, depois de nos últimos anos “muito pouco ter sido feito a este nível pelo Município”, é “essencial que se fortaleça a capacidade de conhecer as reais necessidades das pessoas e, consequentemente, trabalhar com eficácia nas respostas que é preciso dar”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima