Alvito: Portas apela ao voto "em gente de contas certas"

Alvito: Portas apela ao voto

O líder do CDS-PP e vice-primeiro-ministro apelou esta segunda-feira, 23, à noite, em Alvito, ao voto em "gente de contas certas" nas próximas eleições autárquicas.
"Quem endivida hipoteca e quem hipoteca está a reduzir o futuro a um pedaço de sofrimento e, por isso mesmo, queria, em primeiro lugar, apelar a que todos estivessem cientes e, nesta primeira eleição em que o país sabe dolorosamente o que é um protectorado, o que é perder a sua autonomia e o que é depender dos seus credores, escolham gente de contas certas e gente que saiba fazer contas", disse Paulo Portas.
O responsável falava durante um jantar de apoio à candidatura da coligação PSD/CDS-PP à Câmara de Alvito, liderada por Manuel Maria Barroso, no âmbito das eleições autárquicas do próximo domingo, 29, no qual participou também o secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro, o bejense Carlos Moedas.
Segundo Paulo Portas, "tendo o país passado e ainda estando a viver" aquilo a que tem chamado "a fase do protectorado", “há uma coisa que os portugueses aprenderam à sua custa e, certamente, não querem repetir: dívida a mais e défice a mais significam desemprego a mais e impostos a mais e, por isso, quando se trata de escolher um presidente de câmara, é bom escolher alguém com contas certas e que saiba fazer contas".
"Peço-vos: não vão atrás de aventureiros, não se fiem em projectos megalómanos, não acreditem em obras faraónicas. Toda a gente percebe que os recursos não são infinitos, que é preciso fazer escolhas e que quem promete o que não pode cumprir está, primeiro, a hipotecar-vos, segundo, a endividar-vos e, terceiro, a prejudicar as próximas gerações", avisou Paulo Portas.
O líder do CDS-PP apelou também aos autarcas para que, em tempos muito difíceis e em que há sofrimento em diferentes camadas da população, "na dúvida, se for preciso escolher entre obra pública e pessoa humana", escolham "o humanismo" e "estar ao lado de quem sofre em primeiro lugar".
No entanto, nem só a política social "tem lugar" e o investimento também é "necessário", frisou, pedindo aos autarcas para tratarem os investidores como "amigos".
"Só há crescimento com investimento, só há investimento com iniciativa privada, só há iniciativa privada com confiança e só há confiança no plano autárquico quando uma câmara municipal está muito bem organizada de maneira a que os impostos municipais sejam baixo", os serviços "despachados" e "quando há um investidor que quer investir é tratá-lo bem, como um amigo", defendeu Paulo Portas.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima