Alentejo sem médicos reumatologistas há quatro meses

Alentejo sem médicos reumatologistas há quatro meses

O Alentejo está sem médicos reumatologistas há cerca de quatro meses e alguns doentes estão a ser enviados para serviços de medicina interna dos hospitais, situação que preocupa o Instituto Português de Reumatologia (IPR).
“Não há um único reumatologista em todo o Alentejo”, afirmou à Agência Lusa a presidente do IPR, Eugénia Simões, sublinhando que esta é uma zona do país onde as doenças reumáticas são muito prevalentes.
Segundo esta responsável, a última reumatologista a trabalhar num hospital do Serviço Nacional de Saúde (SNS) alentejano saiu há cerca de quatro meses do Hospital de Évora.
Eugénia Simões lamentou ainda a “resistência” da administração regional de Saúde (ARS) do Alentejo no envio de doentes para o IPR, instituição que há anos recebe doentes do SNS, cobrando “um preço inferior aos hospitais do Estado”.
Na resposta, o presidente da ARS do Alentejo justificou a falta de reumatologistas nos hospitais da região com a dificuldade em captá-los, referindo que o número daqueles especialistas em Portugal é "pequeno".
"Não há reumatologistas [nos hospitais do Alentejo] porque, provavelmente, ainda não se conseguiu captar" aquele tipo de especialistas para a região, "uma vez que o número de reumatologistas [em Portugal] é pequeno", disse à Agência Lusa José Robalo.
Sobre a "resistência" da ARS do Alentejo em enviar doentes para o IPR, José Robalo disse que "não há nenhum preconceito".
"Os doentes que é necessário enviar serão enviados e nós pagamos, que é aquilo que temos feito até agora, mesmo em doentes que têm estado internados", reagiu o presidente da ARS alentejana.
Segundo informações apuradas pela Lusa, nenhum dos seis hospitais do Alentejo tem médicos reumatologistas e alguns doentes são tratados por clínicos de medicina interna ou aguardam tratamento.
No caso da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, que integra os hospitais de Beja e Serpa, esta "nunca" dispôs, "não dispõe" e "não tem que dispor" de reumatologistas, disse a presidente da instituição, Margarida da Silveira.
Segundo a responsável, os doentes da área de influência da ULSBA quando precisam de consultas de reumatologia "são referenciados para o Instituto de Reumatologia em Lisboa".
No Hospital do Litoral Alentejano, em Santiago do Cacém, também não há nenhum reumatologista, segundo o secretariado da administração da unidade de saúde.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima