AgdA e regantes com acordo sobre Monte da Rocha

Barragem do Monte da Rocha
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A Águas Públicas do Alentejo e a Associação de Regantes e Beneficiários de Campilhas e Alto Sado (ARBCAS) anunciaram esta semana um acordo sobre a comparticipação de ambas na gestão da albufeira do Monte da Rocha, no concelho de Ourique.
Segundo adianta ao “CA” Francisco Narciso, presidente do conselho de administração da Águas Públicas do Alentejo (AgdA), que faz parte do grupo Águas de Portugal, o acordo alcançado com a associação sediada em Alvalade, no concelho de Santiago do Cacém, “põe termo a um contencioso de nove anos em torno do valor da comparticipação nos encargos com a albufeira do Monte da Rocha”.
“A divergência que havia era relativamente ao valor que caberia à parte urbana, digamos assim, na comparticipação das despesas com o empreendimento”, diz o presidente da AgdA, acrescentando tratar-se de um montante que “ultrapassa os 200 mil euros”.
Também em declarações ao “CA”, Ilídio Martins, director-adjunto da ARBCAS, explica que o diferendo se arrastava “desde 2011”, tendo que ver “com a utilização da albufeira do Monte da Rocha por parte da associação e da AgdA”.
“Aquela estrutura tem um conjunto de encargos que têm de ser comparticipados por todas as entidades que a utilizam e, até agora, só a ARBCAS é que as comparticipava. Mas agora chegou-se a um acordo em que a AgdA regulariza os encargos que têm sido assumidos pela associação desde 2011 até ao momento”, acrescenta.
Tanto o director-adjunto da ARBCAS como o presidente da AgdA reconhecem que este desfecho possibilita, em simultâneo, o aprofundamento da cooperação entre ambas as entidades em diversos projectos.
“Estamos a falar de projectos na área da produção de energia” ou da “qualidade da água”, revela Francisco Narciso.”Havendo um diferendo, dificilmente se fazem parcerias com entidades com quem estamos em conflito. Tudo isso pode agora ser feito, uma vez que chegámos a este entendimento”, conclui Ilídio Martins.

Opinião

Carlos Pinto

22 de Janeiro, 2021

O Nosso pior pesadelo!

Napoleão Mira

22 de Janeiro, 2021

Ditadura das pessoas de bem

Carlos Pinto

8 de Janeiro, 2021

Entrar em 2021 de “pé esquerdo”

Vítor Encarnação

8 de Janeiro, 2021

Casa do Alentejo

Carlos Pinto

18 de Dezembro, 2020

Pessimismo ou optimismo?

Napoleão Mira

18 de Dezembro, 2020

Um conto de Natal quase verdadeiro

Anterior
Seguinte

EM DESTAQUE

ULTIMA HORA

Role para cima