Aeroporto de Beja poderá ficar na esfera do Estado apesar da privatização da ANA

Aeroporto de Beja poderá ficar na esfera do Estado apesar da privatização da ANA

O aeroporto de Beja poderá reverter para o Estado e ser gerido por uma entidade pública se a ANA – Aeroportos de Portugal privatizada prescindir de o explorar, admitiu o coordenador do grupo de trabalho que definiu uma estratégia para a infra-estrutura.
O caderno de encargos de privatização da ANA – Aeroportos de Portugal "vai incluir, em princípio, uma cláusula que prevê a reversão para o Estado" de qualquer um dos aeroportos geridos pela empresa e que o futuro dono eventualmente não queira explorar, disse à Agência Lusa João Paulo Ramôa.
"Se a ANA privatizada tiver uma perspectiva em relação ao aeroporto de Beja que seja contraditória com a da região e não estiver interessada na exploração da valência, o Estado pode chamar outra vez a concessão da infra-estrutura para a sua órbita", explicou.
Nesse caso e porque "a região não pode prescindir" do aeroporto de Beja, uma das várias hipóteses para a gestão da infra-estrutura pode passar pela criação de uma entidade pública, que, por exemplo, poderá ser detida pelo Estado e ter a participação de entidades da região, defendeu.
Segundo João Paulo Ramôa, o aeroporto de Beja deverá ser "salvaguardado" no caderno de encargos de privatização da ANA por "ser, fundamentalmente, um equipamento de desenvolvimento regional".
O eventual desinteresse da ANA privatizada no aeroporto de Beja é "apenas uma hipótese", mas "é bom que seja equacionada", porque trata-se de "um projecto que precisa muito de acarinhamento político e de um apoio ao crescimento muito grande", ao contrário dos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, que "já estão há muitos anos no mercado", frisou.
No entanto, João Paulo Ramôa mostrou-se "convicto" de que os futuros accionistas da ANA vão "abraçar convictamente o aeroporto de Beja", porque "é o único no país que tem uma valência industrial", o que permitirá desenvolver "uma área de negócio diferente e suplementar".
"Não acredito que os futuros accionistas da ANA não vejam o aeroporto de Beja, na sua perspectiva industrial, como uma mais-valia de negócio", sublinhou.
Segundo a estratégia definida pelo grupo de trabalho, o desenvolvimento do aeroporto de Beja deve passar, a curto/médio prazo, pelo conceito de "aeroporto indústria", através da aposta na zona industrial adjacente.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima