Administrador da EMAS defende “cluster da água”

Administrador

O administrador-executivo da Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja entende que a criação de um “cluster da água”, que permita “ter uma visão global, mas uma gestão regional com políticas públicas objectivas e direccionadas nesse sentido”, é a visão que tem faltado trazer para o sector.
Em entrevista ao “CA”, integrada no suplemento dedicado aos 100 anos da empresa que pode ler na edição de sexta-feira, 12, Rui Marreiros defende a necessidade “de sair das fronteiras do abastecimento público, mas olhar para a água como um todo e geri-la de forma integrada”.
“Veja-se, por exemplo a complexidade do lado dos utilizadores! Estamos nós e os nossos clientes, naturalmente, mas também a EDIA, as associações de regantes e os agricultores individualmente como grandes utilizadores do recurso água, mas temos também as entidades gestoras ’em alta’ que muitas vezes não se articulam e concorrem para a captação do mesmo recurso, novamente a água. Mas também temos como cliente final do recurso água a indústria e o turismo que de forma directa ou indirecta consomem ou usam a água. Não esquecer também que a biodiversidade e o equilíbrio em natureza dependem directamente também da disponibilidade do mesmo recurso. Mas depois temos do outro lado os ‘gestores da água’, que vão desde as câmaras municipais a grandes entidades gestoras, passando por empresas municipais e serviços municipalizados, concessões, entre outras, do Ministério da Agricultura ao Ministério do Ambiente e da Acção Climática, da Comissão Coordenação e Desenvolvimento Regional à Agência Portuguesa do Ambiente, passando pela Administração de Região Hidrográfica, pela Direcção Regional de Agricultura e Pescas ou Instituto de Conservação da Natureza, da Entidade Reguladora de Serviços de Águas e Resíduos à Inspecção Geral do Ambiente e do Ordenamento do Território… Enfim, uma imensidão de visões, missões e acções de difícil coordenação e articulação”, sublinha.
Na opinião de Rui Marreiros, “se pensarmos que a água ,para além da sua dimensão associada à manutenção da vida humana, é um motor de desenvolvimento, um factor de criação de emprego e de riqueza e um factor de competitividade decisivo, chegamos facilmente à conclusão que necessitamos de que todos os ‘gestores da água’ se articulem entre si, que haja uma verdadeira política de gestão que proteja a natureza, preserve o recurso, disponibilizando-o de forma adequada às diferentes necessidade e utilizações e que isso deve ser feito com planeamento, fiscalização e monitorização”.
Para o conseguir, conclui o administrador-executivo da EMAS de Beja, “é fundamental a criação de um cluster da água que tenha uma visão global e uma gestão regional integrada do recurso”.

O “CA” publica a 12 de Junho, juntamente com a sua edição, um suplemento especial dedicado aos 100 anos da EMAS de Beja, que se assinalam em 2020

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima