Acção em tribunal contra candidatura de Pulido Valente

Acção em tribunal

O Movimento Revolução Branca interpôs esta terça-feira, 22, nova acção popular no Tribunal de Beja, agora para evitar a recandidatura de Pulido Valente à autarquia local.
Esta foi apenas uma das cinco acções populares interpostas esta terça-feira pelo movimento para evitar que outros cinco presidentes da câmara se candidatem a outras autarquias, por considerar que estas candidaturas ofendem a lei de limitação de mandatos.
De acordo com Paulo Melo Romeira, do movimento, as acções foram interpostas ao fim da tarde de terça-feira, nos tribunais da Guarda, de Aveiro, de Évora, de Beja e de Alcácer do Sal.
No caso de Pulido Valente, os responsáveis pelo Movimento Revolução Branca alegam que o autarca socialista “vem de dois mandatos em Mértola”.
“Embora tenha interrompido em 2008 o mandato em Mértola, foi eleito e tem um terceiro em Beja. De maneira que não se pode recandidatar”, diz Paulo Romeira citado pela Agência Lusa.
Na mira do movimento está também o presidente da Câmara de Santiago do Cacém, Vítor Proença (CDU), que se candidata em Alcácer do Sal.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima