Tribunal de Mértola julga advogada que terá falsificado certidões e um alvará

Tribunal de Mértola julga advogada que terá falsificado certidões e um alvará

Uma advogada de 45 anos que terá falsificado quatro certidões e um alvará de licença, que deviam ter sido emitidos pela Câmara de Mértola, começou a ser julgada em tribunal por cinco crimes de falsificação de documento.
Na primeira sessão do julgamento, que decorreu segunda-feira, 19, no Tribunal de Mértola, foi lida a acusação pública e o colectivo de juízes ouviu todas as testemunhas e marcou a próxima sessão para 10 de Outubro.
A sessão servirá para o colectivo de juízes ouvir a arguida, a advogada Cecília Palma, que hoje faltou ao início do julgamento, alegando motivos de doença.
Segundo a acusação do Ministério Público, a arguida, em 2008, propôs-se a regularizar a situação de várias casas na aldeia de Mina de São Domingos, no concelho alentejano de Mértola, realizando, por conta dos outorgantes e em sua representação, escrituras de justificação notarial por usucapião, no cartório notarial de Serpa.
Para a realização das escrituras, era pedido aos outorgantes um documento, emitido pela Câmara de Mértola, a comprovar que as casas tinham sido construídas antes de 1951 e, por isso, estavam isentas do alvará de licença de utilização.
Entre Maio e Dezembro de 2008, no cartório notarial de Serpa, celebraram-se quatro escrituras relativas a quatro casas na Mina de São Domingos, cujos outorgantes eram patrocinados pela arguida, que tinha procurações e estava incumbida de requerer toda a documentação necessária para as escrituras.
Nas quatro escrituras, a arguida entregou três certidões e uma cópia de uma certidão supostamente emitidas pela Câmara de Mértola e comprovativas de que as casas tinham sido construídas antes de 07 de Agosto de 1951 e, por isso, estavam isentas de licença do alvará de licença de utilização.
Segundo a acusação, a Câmara de Mértola nunca emitiu nenhuma das quatro certidões apresentadas pela arguida nas escrituras e apenas emitiu, a 19 de Maio de 2008 e a requerimento da arguida, uma certidão, mas relativa a uma casa na freguesia de São João dos Caldeireiros.
Na posse deste documento emitido pela autarquia, “a arguida, com o seu próprio punho, alterou-o”, colocando os dados do prédio da primeira escritura e entregou-o para a realização da escritura, a 29 de Maio de 2008.
O mesmo terá feito com as certidões falsas que entregou nas restantes três escrituras, que se realizaram a 09 de Junho, 04 de Agosto e 05 de Dezembro de 2008.
No dia 22 de Agosto de 2008, no cartório notarial de Serpa, celebrou-se ainda uma outra escritura de justificação notarial relativa a uma casa na Mina de São Domingos em que a arguida exibiu uma fotocópia de um alvará de licença supostamente emitido pela Câmara de Mértola.
Segundo a acusação, a Câmara de Mértola não emitiu o alvará e o documento exibido “foi emitido pela arguida, pelo seu próprio punho”, que o certificou na qualidade de advogada e o entregou no ato da escritura.
“Ao produzir pelo seu próprio punho, alterar e facultar” os documentos, “fazendo crer” que “eram oficiais”, a arguida “quis por em causa a fé pública” de que os documentos, como meio de certificação oficial do Estado, devem “merecer”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima