Trabalhadores da Somincor manifestam-se em Lisboa

Trabalhadores da Somincor

Praça de Londres, Lisboa: é esta a nova “paragem” da luta dos trabalhadores da Somincor, empresa concessionária das minas de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, que nesta sexta-feira, 10, de manhã se vão manifestar junto ao Ministério do Trabalho. O objectivo da iniciativa é exigir a intervenção do Governo no conflito laboral entre trabalhadores e empresa, que motivou nova greve ao longo desta semana.
“Vamos ao Ministério do Trabalho mostrar a nossa indignação. Porque o Ministério do Trabalho tem a obrigação de tentar resolver estes conflitos”, explica ao “CA” o sindicalista Luís Cavaco, coordenador da Direcção do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM), desconhecendo se será possível reunir com o ministro Vieira da Silva.
A viagem até Lisboa, para uma concentração junto ao Ministério do Trabalho, acontece no último dia de greve em Neves-Corvo. A paralisação, que arrancou às 6h00 de segunda-feira, 6, e termina às 6h00 de sábado, 11, acontece cerca de um mês depois da primeira greve e segundo o STIM teve forte impacto na extração e produção de minério em Neves-Corvo.
Em causa estão as mesmas reivindicações que foram apresentadas para justificar a greve de Outubro: o fim do regime de laboração contínua no fundo da mina; a "humanização" dos horários de trabalho; a antecipação da idade da reforma dos funcionários das lavarias; progressão nas carreiras; revogação das alterações unilaterais na política de prémios e o "fim da pressão e da repressão sobre os trabalhadores". Caso após esta greve as duas partes não cheguem a acordo, o STIM tem prevista nova paralisação de cinco dias em Dezembro.
Entretanto, em comunicado emitido no primeiro dia de greve, a administração da Somincor, que pertence ao grupo multinacional Lundin Mining, reafirmou manter a sua abertura ao diálogo com os trabalhadores e com o STIM, "no sentido da resolução da situação".

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

OP de Odemira com 51 propostas em 2021

Um total de 51 propostas de investimento público foram apresentadas pela população do concelho de Odemira no âmbito do processo do “Orçamento Participativo” (OP) de

Role para cima