Teresa Revez lança livro para ser lido “ao colo”

Livro - Infinito_Teresa Revez_capa

Um presente “em forma de livro”, que abre espaço aos mistérios da palavra contada, aos afetos e às histórias de colo. É assim que a bejense Teresa Revez, 39 anos, descreve Infinito [isto não é um livro], obra que tanto é para crianças, como “pisca o olho” aos adultos.

“É um presente simbólico e urgente, em forma de livro, aberto a infinitas leituras, que decidi oferecer aos meus filhos, no Dia da Criança”, que “faz muitas perguntas e dá poucas respostas”, explica ao “CA” a autora, que é licenciada em Marketing e técnica superior na Câmara de Beja.

Por isso, continua Teresa Revez, o livro deve “ser lido ao colo”. “Para mim, é um álbum de memórias, tecido pelas cumplicidades leitoras de oito anos de histórias e de alguns livros que têm um lugar especial na estante”, acrescenta.

Infinito [isto não é um livro], que tem edição de autor revista por Cristina Taquelim e já está à venda nas lojas FNAC, é fruto de oito anos de leituras de Teresa Revez com os seus dois filhos, Manel e Zé, que também colaboraram na obra, através de desenhos.

Segundo a autora, a obra não é mais que “uma história de afetos e caminho verdadeiro, que nos coloca na pele de uma vela de aniversário que decide ver o mar”, convidando “a um infinito de possibilidades de leitura nas entrelinhas”.

“Para mim, [este livro] é um álbum de memórias, tecido pelas cumplicidades leitoras de oito anos de histórias e de alguns livros que têm um lugar especial na estante”, diz Teresa Revez.

“Gostaria que [o livro] pudesse relembrar-nos que, todos os dias, se mudarmos a perspetiva, um 8 pode ser o infinito e que devemos elogiar o poder das pequeninas coisas ou do que pode acontecer se acreditarmos que nada nos impede”, diz Teresa Revez.

A “inspiração”, diz, partiu dos filhos. “Não dá para ter um filho que diz ‘mamã, nada te impede’ – uma espécie de mantra ativado, sempre que o Manel enfrenta um desafio ou me convida a tomar outra opção – e não fazer nada com isso”, conta Teresa Revez, para logo acrescentar: “É curioso ver o que acontece quando nos deixamos inspirar e optamos por seguir o caminho inverso do que seria esperado. Talvez seja esta a poesia da vida: encontrar nos pequenos sinais do quotidiano outro sentido”.

Quanto ao futuro (e a possíveis novos livros), Teresa Revez prefere “não fazer planos”.

“Prefiro não fazer planos para não estragar os planos que a vida tem para mim. Se virmos bem, qual era a probabilidade de publicar um livro? Quem me conhece sabe que era muito baixa, não estava nos planos”, conclui.

Opinião

Carlos Pinto

24 de Maio, 2024

Tensão extrema!

Vitor Encarnação

24 de Maio, 2024

Sábado à noite

Carlos Pinto

10 de Maio, 2024

O futuro dos Bombeiros!

Napoleão Mira

10 de Maio, 2024

A Alquimia das Favas

Carlos Pinto

26 de Abril, 2024

Abril, sempre!

Carlos Pinto

12 de Abril, 2024

Valerá tudo por tática política?

Anterior
Seguinte

EM DESTAQUE

ULTIMA HORA

Role para cima