Seca no Baixo Alentejo causa “grande preocupação” à FAABA

A atual situação de seca que afeta o Baixo Alentejo está a causar “grande preocupação” à Federação de Associações de Agricultores do Baixo Alentejo (FAABA), que teme pelo futuro da agricultura de sequeiro e da pecuária extensiva.

Também a falta de reservas hídricas, quer para o abeberamento animal, quer para o regadio, são motivo de apreensão para a FAABA, que tem sede em Beja.

Em comunicado enviado ao “CA”, a Federação afirma que “as culturas de outono-inverno já se encontram gravemente comprometidas” e que “as pastagens não existem”, o que tem levado os agricultores a recorrer “às reservas de feno e palhas que em muitos casos se encontram praticamente esgotadas”.

“Neste quadro, e a confirmarem-se as previsões” meteorológicas “para as próximas semanas, a provisão de reservas alimentares para a pecuária serão praticamente nulas”, afiança a FAABA.

No comunicado, a Federação observa que “esta situação anormal tem sido ainda agravada pelos custos dos factores de produção”, que “sofreram agravamentos extraordinários nos últimos meses, nunca vistos nos tempos mais recentes”.

E nas explorações em modo de produção biológico “este cenário é ainda mais dramático, não só pelo maior custo da alimentação, mas também pela sua dificuldade de aquisição”, acrescenta.

A par disto, a FAABA nota que “os agricultores têm de estar preparados para a falta de água para o abeberamento de animais” e populações, uma vez que as barragens da região, nomeadamente as da bacia do Sado, “encontram-se a níveis historicamente baixos, comprometendo seriamente a próxima campanha de regadio”.

“Noutros casos, nomeadamente nas barragens que se encontram ligadas ao complexo de Alqueva, a campanha de regadio poderá ocorrer, mas a água terá que ser adquirida à EDIA a custos muito elevados, agravando ainda mais as contas das várias culturas instaladas”, frisa.

Perante este quadro, a FAABA considera que “a sustentabilidade económica de muitas explorações agro-pecuárias do Alentejo ficará gravemente comprometida”, defendendo que o governo possa definir “medidas de apoio aos sectores mais afetados, que poderão passar por ajudas directas à pecuária e às culturas de outono-inverno”.

“No imediato, é também importante a autorização para o pastoreio de pousios e superfícies de interesse ecológico, como forma de mitigar a falta de pastagem para o gado”, complementa a FAABA.

A Federação sustenta ainda que “outras medidas de fundo deverão ser avaliadas e implementadas para aplicação no médio e longo prazo”, de forma “a contrariar os recorrentes efeitos da seca” na região.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima