Presidente do PS do Baixo Alentejo quer representante do Governo na região

O presidente reeleito do PS do Baixo Alentejo, Nelson Brito, defende a nomeação de um representante do Governo na região, “revisitando a figura do governador civil”, para que a população sinta de forma mais efetiva “a presença do Estado” no território.

“Há uma fraca presença do Estado numa grande parte do território português”, caso do distrito de Beja, “e o que se sente da presença do Estado na região são os presidentes das juntas de freguesia ou das câmaras municipais”, afirma Nelson Brito ao “CA”.

Nesse sentido, o presidente da Federação do Baixo Alentejo do PS, reeleito no sábado, 5, afirma ser necessário ter, entre o processo de transferência de competências em curso e a regionalização, “que vai escorregar no tempo”, “um representante do Estado na região”.

“Não podemos perder tempo. As regiões do interior sentem essa dificuldade de não sentirem Estado no território e proximidade nas soluções que preconizam”, acrescenta.

Para ilustrar a “mais-valia” de ter um representante no Governo na região, Nelson Brito dá como exemplo o período da pandemia, em que o combate à Covid-19 foi coordenado regionalmente pelo então secretário de Estado da Defesa, Jorge Seguro Sanches.

“Perguntem a todas as entidades o quanto foi útil para a região ter um representante do Governo para minimizarmos as dificuldades que sentíamos”, frisa.

“Não podemos perder tempo. As regiões do interior sentem essa dificuldade de não sentirem Estado no território e proximidade nas soluções que preconizam.”

A par desta reivindicação, o presidente do PS do Baixo Alentejo quer, ao longo do mandato, “fortalecer a região e o território, nomeadamente naquilo que são as legítimas expetativas que as pessoas têm” no atual “ciclo legislativo e governativo”.

Nesse âmbito, questões como a água e as alterações climáticas, a mobilidade e a transição digital vão estar entre as prioridades da equipa liderada por Nelson Brito.

O dirigente socialista quer ainda, no que ao aeroporto de Beja diz respeito, que a infraestrutura alcance novos “patamares no processo de desenvolvimento”, nomeadamente na “lógica de passageiros, manutenção, formação e logística”.

“É o composto destas várias vertentes que poderá dar um outro capital de viabilidade e de desenvolvimento ao aeroporto de Beja”, diz.

Ter um PS “que seja líder de opinião na região” e “que marque a agenda política” é outra das metas traçadas pelo presidente da federação socialista do Baixo Alentejo.

Nelson Brito foi o único candidato à presidência da Federação do Baixo Alentejo do PS nas eleições de sábado, tendo sido reeleito com 89,14% dos votos.

O congresso federativo do PS do Baixo Alentejo está marcado para o dia 20 deste mês, na Vidigueira.

Entre 2009 e 2021 liderou a Câmara de Aljustrel, tendo assumido a presidência do PS do Baixo Alentejo em julho de 2020.

Em janeiro deste ano foi eleito deputado pelo círculo de Beja.

O congresso federativo do PS do Baixo Alentejo está marcado para o dia 20 deste mês, em Vidigueira.

Partilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima