Presidente da CM Castro Verde: “Temos de ser rigorosos na área financeira”

Presidente da CM Castro Verde: “Temos de ser rigorosos na área financeira”

Em entrevista concedida ao “CA”, o presidente da Câmara Municipal de Castro Verde reconhece que a situação financeira da autarquia “continua com muitas limitações e não é o de outros anos”.

O estado da rede de águas de Castro Verde foi sempre uma preocupação do PS. Que tipo de intervenções já foram realizadas nesta área?
Temos praticamente concluída a empreitada que permitirá reduzir as perdas através do seccionamento de toda a rede. Hoje, quando há uma rotura, quase toda a vila fica sem água. Concluída esta empreitada, isso deixará de acontecer, porque será possível balizar as diferentes zonas da rede. Entretanto, requalificámos a Rua 4 de Junho e vamos fazer profunda requalificação na Rua Morais Sarmento, como já referi. Mas em 2020 queremos ir mais longe, com um plano de intervenção que estamos a preparar e em breve anunciaremos.

Tendo a CDU chumbado a criação da empresa Águas do Baixo Alentejo, para a “baixa”, na Assembleia Municipal, de que forma conta a Câmara Municipal realizar as obras necessárias nestas infra-estruturas?
É nesse plano que estamos a trabalhar. Temos projectos preparados e algum financiamento garantido através de uma candidatura aprovada a fundos comunitários. Estou certo que no próximo ano trabalharemos bastante neste domínio, porque o estado da rede é mau e temos de dar respostas concretas. A solução da Águas do Baixo Alentejo era muito boa, mas infelizmente na CDU puseram a defesa das suas posições ideológicas à frente dos interesses da população.

Por que razão as obras na estrada para Santa Bárbara e Mina de Neves-Corvo só arrancaram agora?
Foi preciso dar muitos passos porque, infelizmente, este processo foi tratado com ligeireza e pouca responsabilidade. Na verdade, a obra já começou, mas foi preciso fazer as coisas como deve ser! Hoje temos dinheiro para a pagar e há acordos celebrados com 95% dos proprietários. O executivo anterior achava – e os actuais vereadores da CDU continuam a achar – que estes acordos não eram necessários.

A EN2 continua a degradar-se, sem que a Infra-estruturas de Portugal concretize as obras anunciadas em Janeiro de 2018. De que forma olha a autarquia para esta situação?
Com muita preocupação e já dissemos isso várias vezes ao Governo. É lamentável que a obra não tenha avançado. Não nos conformamos com isso.

Disse ter encontrado um quadro financeiro “preocupante” quando assumiu a presidência da Câmara Municipal. Qual o quadro actual?
Nestes dois anos de mandato tivemos de “devolver” cerca de um milhão e 900 mil euros de Derrama. É muito dinheiro! Creio que todos percebemos muito bem o que significa não ter esta receita e tudo o que podíamos ter feito se tivéssemos recebido esse dinheiro. Portanto, o quadro continua com muitas limitações e não é o de outros anos.

De que forma é que os “cortes” efectuados a partir de Julho de 2018 ajudaram ao reequilíbrio financeiro da autarquia?
Foi um esforço de todos que ajudou um pouco. Creio que toda a gente compreendeu a medida, mas temos de continuar a ser muito rigorosos e exigentes na área financeira.

O quadro financeiro do Município inibiu, de alguma forma, as pretensões de investimento deste executivo?
É preciso distinguir duas coisas: por um lado, o concelho tinha vários problemas graves para resolver e, por outro lado, foi penalizado com uma quebra brutal de receitas. Isso explica a nossa realidade! Obviamente que há projectos que poderiam avançar mais depressa, mas sem ovos não se fazem omeletes. Ainda assim, é bom que olhemos com atenção para o que a Câmara já fez e tem em marcha.

A situação de devolução de Derrama à Autoridade Tributária ficará totalmente regularizada em 2020?
Acredito que sim. Ainda temos de devolver cerca de 21.000 euros.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima