Porto de Sines desvaloriza atraso nas obras do Canal do Panamá

Porto de Sines desvaloriza atraso

O presidente do porto de Sines desvaloriza o impacto que um eventual atraso nas obras de ampliação do Canal do Panamá possa ter na actividade do terminal de contentores, que funciona “praticamente no limite” da capacidade.
“Actualmente, o impacto do Canal do Panamá no total da procura no porto de Sines acabará por ser residual e menor do que se pensava, quando o porto ainda não tinha atingido os níveis de movimentação que temos hoje”, comenta à Agência Lusa o presidente da Administração do Porto de Sines (APS), João Franco.
De acordo com o gestor, o Terminal XXI, concessionado à PSA Sines, com sede em Singapura, encerrou 2013 com um aumento de 68% em relação ao ano anterior, tendo movimentado cerca de 930 mil TEU (unidade equivalente a um contentor de 20 pés), e “está a funcionar praticamente no limite da sua capacidade”.
No geral, o crescimento do porto de Sines situou-se próximo dos 32% em relação a 2012, com uma movimentação de 36,5 milhões de toneladas de carga, indica.
João Franco sublinha que, actualmente, a PSA Sines “já utiliza o Canal do Panamá para movimentar contentores semanalmente para a costa americana do Pacífico, designadamente para o México, EUA e Canadá, com recurso a navios de cerca de 5.000 TEU”.
O presidente da APS refere, no entanto, que a ampliação do canal, que permitirá a navegação de navios de contentores até 12.000 TEU, poderá, “a prazo”, “imprimir uma nova dinâmica neste tipo de tráfego com Sines”.
Em meados de Dezembro do ano passado, num encontro com jornalistas, o gestor já se tinha referido às perspectivas para o porto de Sines relativamente às obras no canal da América do Sul, afirmando que os efeitos só se farão sentir na infra-estrutura do Litoral Alentejano “no médio prazo”.
Entretanto, o Terminal XXI, que tem 730 metros de comprimentos, com capacidade para a movimentação de 1,1 milhões de TEU por ano, só poderá crescer mais após o prolongamento do cais.
Por esse motivo, este ano é esperado um crescimento máximo de 10% na movimentação de contentores.
As obras para a construção de mais 210 metros, que deixarão a infra-estrutura com capacidade para movimentar 1,7 milhões de TEU, começam este mês de Janeiro e deverão estar concluídas no último trimestre do ano, indicou João Franco na altura.
A PSA Sines também já requereu ao Governo autorização para a construção de 290 metros adicionais, que, a efectivar-se, permitirá a movimentação anual de 2,3 milhões de TEU.
Na quinta-feira passada, dia 2, o consórcio responsável pelas obras no Canal do Panamá indicou que tenciona suspender os trabalhos por 21 dias caso não receba 1,16 milhões de euros.
A concretizar-se a ameaça, as obras de expansão do Canal do Panamá, que começaram em 2007 e que se prevê que estejam concluídas em Junho de 2015, nove meses após o acordado, poderão sofrer um novo atraso.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima