PCP exige “desenvolvimento pleno” de todas as valências do aeroporto de Beja

PCP exige “desenvolvimento pleno” de todas as valências do aeroporto de Beja

O PCP exigiu esta terça-feira, 18, o "desenvolvimento pleno" de todas as valências do aeroporto de Beja e voltou a defender um modelo de gestão pública da infra-estrutura aeronáutica com a participação das instituições representativas da região.
A posição do Grupo Parlamentar do PCP, expressa em comunicado, surge após o deputado comunista eleito pelo círculo de Beja, João Ramos, ter visitado na segunda-feira, 17, o aeroporto de Beja e reunido com um responsável da ANA – Aeroportos de Portugal.
A instalação de uma empresa de manutenção de aeronaves, "cujo projecto está no início", e "a existência de outras possibilidades", "fazem com que se instale uma das vertentes" da infra-estrutura, refere o PCP, defendendo que "a ANA deverá continuar o esforço no sentido de potenciar a vertente de manutenção que o aeroporto deve ter associada".
As vertentes de transporte de carga e de passageiros "encontram-se limitadas pela falta de desenvolvimento que houve noutros projectos de âmbito regional", refere o PCP.
"Temos um aeroporto através do qual podemos expedir os produtos da região e receber visitantes", mas "falta desenvolver todo o processo produtivo agrícola", para a região poder dar o seu "contributo para a produção nacional" e ser "capaz de atrair pessoas".
"Falta também a articulação do aeroporto com uma rede de comunicações que, efectivamente, articule o distrito", defende o PCP, frisando que "não basta ter até ao aeroporto uma auto-estrada de ligação a Lisboa".
Segundo o PCP, é preciso "que o aeroporto se articule com uma rede rodoviária em condições", que passa pela conclusão do Itinerário Complementar (IC) 27, que liga Castro Marim e Alcoutim e, quando concluído, irá ligar a Mértola e a Beja, e a construção do Itinerário Principal (IP) 8 até à fronteira.
O PCP defende também que o aeroporto deve articular-se com uma "rede ferroviária modernizada", que passa pela electrificação da linha de Beja e a criação da infra-estrutura ferroviária para ligar Sines, Beja e Évora.
O aeroporto de Beja "está aí", "pode e deve dar o seu contributo para o desenvolvimento da região" e "não pode ser deixado de lado", defende o PCP, referindo que agora existem "mais condições para aproveitar o potencial produtivo da região".

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima