Parceria “leva” ruínas romanas de Tróia a 550 mil pessoas

Parceria “leva” ruínas romanas

Cerca de 550 mil pessoas vão ser “convidadas” a visitar gratuitamente as milenares ruínas romanas de Tróia, no concelho de Grândola, no âmbito de um protocolo entre a empresa responsável pelo monumento e uma associação mutualista.
Em meados de 2011, foi inaugurado um percurso de visita com cerca de 450 metros, que custou cerca de 150 mil euros e inclui algumas das maiores fábricas de salga de peixe do complexo arqueológico, as termas, a zona residencial, o mausoléu e a necrópole.
Desde então, o local recebeu cerca de 16 mil pessoas, estando o número de visitantes “a crescer a um ritmo superior a 30%” por ano, adianta à Agência Lusa João Madeira, director geral do Troiaresort, empreendimento turístico onde está inserido o monumento.
Com a parceria entre o Troiaresort e a associação mutualista do Montepio, vai ser possível divulgar e promover o monumento junto dos cerca de 550 mil associados daquela instituição.
“Visitar é a melhor forma de preservar um espaço”, afirma João Madeira, justificando a importância do protocolo de cooperação assinado entre as duas entidades.
O protocolo prevê, entre outros “benefícios”, que os associados do Montepio visitem gratuitamente as ruínas e inclui também um apoio financeiro para o “desenvolvimento” do trabalho científico realizado.
A investigação no núcleo é “permanente”, sendo assegurada por três arqueólogos contratados “a tempo inteiro” pelo empreendimento turístico, frisa o gestor.
O trabalho passa pela divulgação do local, pela participação em congressos internacionais e pelo apoio à realização de teses de mestrado e doutoramento, entre outras iniciativas.
A equipa de arqueólogos está actualmente a organizar um congresso, a realizar em Outubro, sobre a cerâmica da época, nomeadamente as ânforas, avança João Madeira.
A dinamização do complexo arqueológico da estância balnear da costa alentejana tem passado pela realização de dias abertos e eventos, como a reconstituição de um mercado romano, durante o fim de semana da Páscoa, que contou com personagens como gladiadores, escravos, comerciantes, artesãos e músicos.
As ruínas da maior unidade de salga de peixe do império romano, classificadas como monumento nacional desde 1910, foram alvo de grandes escavações entre os anos 40 e 70 do século passado, ficando depois praticamente ao abandono durante mais de 20 anos.
A compra do terreno pela Sonae Turismo, que detém o Troiaresort, e a celebração de um protocolo entre a empresa e entidades estatais permitiu que, no final de 2006, o núcleo começasse a ser requalificado, com investimento totalmente privado.
No início deste ano, a valorização do local com cerca de dois mil anos de história foi eleita "Melhor Projecto Público" no âmbito dos prémios "Turismo do Alentejo 2012", organizados pela entidade regional de turismo.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima