Olivicultores do Sul criam nova associação

Olivicultores do Sul

Os olivicultores do sul de Portugal criaram uma associação para defender os interesses do sector olivícola na região, onde já existem mais de 60 mil hectares de olival.
A Olivum – Associação de Olivicultores do Sul, apresentada esta quarta-feira, 19, em Beja, foi criada para "defender os interesses comuns dos olivicultores e do sector olivícola" na região, explicou à Agência Lusa o presidente da assembleia geral da associação, Armando Sevinate Pinto.
A olivicultura tem "uma dinâmica bastante significativa e peso económico" no sul de Portugal, "mas isso não quer dizer que não existam problemas", os quais "exigem que haja uma união entre os olivicultores para os resolver", frisou.
Por isso, disse, a Olivum surgiu para colmatar a falta de "uma associação específica para representar a importantíssima realidade da olivicultura" no sul, sobretudo no Alentejo, que "tem bastante mais área de olival do que o conjunto do resto do país e produz três quartos do azeite produzido em Portugal e com uma qualidade extraordinária".
A olivicultura, "um dos sectores agrícolas mais modernizados" de Portugal, "abrange uma área superior a 60.000 hectares de regadio" no sul do país e "representa 53% dos 40.000 hectares actualmente regados pelo perímetro do Alqueva", refere fonte da Olivum.
Defesa e representação dos olivicultores do sul do país junto de entidades oficiais, associações e confederações nacionais e internacionais e criação de um interlocutor "qualificado e representativo para melhor defender" o sector olivícola junto da União Europeia e medidas comunitárias são algumas das áreas de actuação da Olivum.
A associação também quer identificar os problemas e as oportunidades do sector, tornar-se um centro de divulgação de ideias e experiências dos associados, criar condições para a integração entre investigação, produção e indústria, para valorizar o produto azeitona, e fomentar o conhecimento estatístico dos principais aspectos da produção olivícola em Portugal, em especial do olival moderno de regadio.
Trabalhar e acompanhar, em conjunto com as entidades nacionais, a transposição das regras comunitárias relativas à olivicultura para o regime interno português e ser "voz activa" junto da Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva "na luta pelo preço justo da água" do empreendimento são algumas das intervenções imediatas e específicas da Olivum.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima