Nelson Brito quer terceiro mandato em Aljustrel

Nelson Brito quer terceiro

Já o tinha assumindo publicamente, mas agora é oficial: Nelson Brito vai ser o candidato do Partido Socialista à Câmara Municipal de Aljustrel nas eleições Autárquicas deste ano. Tal como o “CA” tinha avançado em Setembro passado, o autarca de 40 anos vai tentar ser eleito para um terceiro mandato, numa candidatura que reconhece ser “natural”.
“É uma recandidatura ‘natural’, sempre o assumi. É essa a minha vontade, continuar a servir a minha terra, e também uma resposta às mensagens que me vão chegando da população, que muito me estimulam para um terceiro mandato”, assume ao “CA” o eleito socialista.
Confiante na vitória nas eleições deste ano, Nelson Brito reconhece que ainda há “muito para fazer” no concelho, pretendendo “aprofundar” aquelas que têm sido as prioridades do seu executivo desde 2009: Educação, Acção Social, Cultura e Desenvolvimento Económico.
“Ao nível desta última dimensão, queremos acentuar um esforço já muito intenso de captação de investimento sustentável e diverso para o nosso concelho. Todas as outras dimensões dependem, em larga medida, desta última. Sem emprego e distribuição de riqueza não há desenvolvimento sustentável”, justifica o autarca, lembrando que a mina “não pode continuar a ser o único pilar da economia local”.
Nesse sentido, Nelson Brito quer potenciar a “centralidade” de Aljustrel, um posicionamento que considera “estratégico” em virtude do facto de o concelho possuir mais de 20 mil hectares de regadio. Daí defender uma aposta nos agro-negócios.
“Devemos saber trabalhar regionalmente, ganhando escala, de forma a definitivamente aliar o elo da produção aos elos da transformação e distribuição, deixando no território regional as mais-valias resultantes de toda a cadeia de valor dos produtos agrícolas produzidos nas nossas terras”, argumenta.
Também o turismo está na lista de prioridades de Nelson Brito em caso de reeleição. Um sector em que a autarquia está a dinamizar novos projectos, como o Parque Mineiro de Aljustrel.
“É uma iniciativa que, além da obrigação que tem para com a comunidade de valorização do nosso património, pretende tornar-se num atractivo turístico que ofereça aos visitantes e turistas a oportunidade de conhecer um património mineiro diversificado e único. Somos a mina mais antiga do mundo em actividade”, diz.

Fazer mais com menos
Olhando para trás, Nelson Brito considera que os quase oito anos que leva à frente da Câmara de Aljustrel têm sido marcados por “trabalho, envolvimento com as pessoas da nossa terra e forte dinâmica”.
“Temos cumprido com a missão e os objectivos a que nos propusemos”, afiança o autarca, lembrando que também no plano financeiro há obra para apresentar. “Em final de 2009 tínhamos uma dívida de perto de 11 milhões de euros. Hoje, essa dívida ronda os sete milhões de euros. Estamos a fazer esforço gigantesco de saneamento das contas da autarquia, que, destaque-se, foi realizado em grande parte durante um período de crise que muito afetou a vida das autarquias. Com menos fizemos mais”, sublinha.
Nelson Brito destaca ainda a capacidade que a autarquia mineira tem tido na captação de fundos comunitários, “que têm sido o suporte para o lançamento de vários projetos e iniciativas materiais e imateriais”. “Somos, reconhecidamente, um dos municípios alentejanos que melhor execução tem de dinheiros comunitários e isso orgulha-nos, porque esses bons resultados são consequência de muito trabalho de preparação das várias candidaturas”, conclui.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima