Nelson Brito afirma que Governo tem estratégia para a mobilidade no Baixo Alentejo

Nelson Brito - Parlamento
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O deputado do PS Nelson Brito, eleito por Beja, afiançou nesta quarta-feira, 28, no Parlamento, que o Governo tem uma estratégia para a mobilidade no Baixo Alentejo, tendo em curso vários investimentos na região.

Segundo o socialista, que intervinha no debate sobre a modernização da Linha do Alentejo, estão “em curso, com 3,2 milhões de euros, os concursos para o projeto de execução para a modernização do troço Casa Branca-Beja, incluindo a eletrificação e instalação de sistemas de sinalização e telecomunicações”, assim como “o estudo de viabilidade técnica e ambiental da ligação ferroviária ao aeroporto de Beja”.

Ou seja, “hoje temos garantias que a Infraestruturas de Portugal irá desenvolver um estudo de procura de mercado e de análise custo/benefício para intervenções a realizar no reforço da Rede Ferroviária Nacional, incluindo a reativação do troço Beja-Ourique da Linha do Alentejo, onde se englobará o ramal de Aljustrel”, acrescentou.

Nelson Brito disse ainda que, relativamente a Aljustrel, está inscrita no PRR, “com cerca de nove milhões de euros” e “com concurso público para a sua execução a lançar nos próximos meses”, a nova variante circundante à “vila das minas”, que é “ambicionada há cerca de 40 anos”.

O deputado do PS destacou igualmente que também será intervencionado o IP8, entre Santa Margarida do Sado e Ferreira do Alentejo, “incluindo a construção da variante à povoação de Figueira de Cavaleiros e entre Ferreira do Alentejo e Beja, e da variante à povoação de Beringel, com financiamento do PRR, devendo a conclusão da obra ocorrer até 2025”.

O socialista lembrou que, nos últimos cinco anos, foram beneficiadas no Baixo Alentejo “várias estradas em cerca de 13 milhões de euros, a juntar mais 2,7 milhões em fase de adjudicação”.

Um quadro distinto do que fez o anterior executivo de direita (PSD/CDS-PP), que, “a pretexto da austeridade, parou definitivamente empreitadas em curso, que iriam beneficiar um dos territórios mais extensos” do país, concluiu.

Opinião

Carlos Pinto

2 de Dezembro, 2022

Uma demora incompreensível

Vitor Encarnação

2 de Dezembro, 2022

Estágio

Carlos Pinto

18 de Novembro, 2022

Um homem que vai fazer falta

Napoleão Mira

18 de Novembro, 2022

Tempos de Mudança

Carlos Pinto

4 de Novembro, 2022

Matar o doente com a cura?

Vitor Encarnação

4 de Novembro, 2022

O Baile

Anterior
Seguinte

EM DESTAQUE

ULTIMA HORA

Role para cima