Medidas agro-ambientais são fundamentais no Campo Branco

Medidas agro-ambientais são

Com mexidas ou não na Política Agrícola Comum (PAC) a partir de 2020, no decorrer do novo pacote de fundos comunitários, uma coisa é certa: as medidas agro-ambientais de apoio à agricultura no Campo Branco têm de continuar. Esta é a opinião do vice-presidente da Associação de Agricultores do Campo Branco (AACB), para quem os apoios no âmbito do Apoio Zonal “são fundamentais” para a manutenção da actividade agrícola na região.
“É fundamental continuar este apoio para os produtores conseguirem manter a actividade com alguma rentabilidade e não haver um abandono das terras, visto ser importante a fixação dos jovens no território, dado o envelhecimento dos agricultores. A partir de 2020 a nossa esperança é que isto continue! Aliás, a agricultura tradicional – em que até se baseia a questão da reserva da Biosfera da Unesco – só é viável com estes apoios ambientais”, argumenta António Aires ao “CA”.
De acordo com este responsável, de momento são poucas as certezas sobre o futuro da PAC. A anunciada saída do Reino Unido da União Europeia faz com que circulem rumores de que o pacote financeiro destinado à agricultura pode vir a sofrer uma drástica redução a partir de 2020, mas António Aires acredita que haverá “sensibilidade” de todas as partes para territórios mais desfavorecidos, como o Campo Branco.
“Terão que ser os Estados-membros, neste caso Portugal, a mostrar sensibilidade para estas questões ambientais. E se se defende cada vez mais o ambiente e a fixação de populações no interior, terá que haver sensibilidade para esta parte”, sublinha António Aires, que acrescenta: “Na AACB temos vindo a alertar que isto [agro-ambientais] é fundamental para manter a agricultura tradicional nesta região”.
O vice-presidente da AACB afiança que seria “muito mau” para a agricultura da região “se as agro-ambientais acabassem”. “Sem estas ajudas ser agricultor no Campo Branco torna-se difícil! O Alentejo não é só regadio e a parte do sequeiro também tem de ser mantida. E pelos solos que aqui temos, tem de ser uma agricultura tradicional. Temos feito ver isto às entidades competentes e acho que eles têm consciência que sem estes apoios é difícil manter esta agricultura tradicional”, observa.
De momento, a zona do Campo Branco conta com 250 candidaturas as todas as medidas agro-ambientais existentes para o território. Um número que até poderia ser maior se pudesse haver novas adesões, o que não acontece desde 2015 devido à falta de verbas.
“Dentro da PAC 2014-2020 houve uma grande adesão dos produtores e a parte da verba destinada às agro-ambientais esgotou. Entretanto, não há novas adesões até à reforma da PAC… E se novos produtores quiserem aderir ou se os que já beneficiam quiserem aumentar a área, neste momento não é possível. Ora isto causa alguns constrangimentos, sobretudo junto de novos agricultores ou de produtores das raças autóctones”, conclui António Aires.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima