Médica Vera Guerreiro foi a primeira a ser vacinada contra a Covid-19 no Baixo Alentejo

Saúde - Covid 19 vacina em Beja 1 (Drª Vera Guerreiro)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A médica internista Vera Guerreiro, de 40 anos, foi a primeira a ser vacinada contra a Covid-19 no Hospital de Beja, considerando que a partir de agora existe “uma arma” que pode alterar o rumo do combate à pandemia.

Vera Guerreiro, que tem coordenado as adaptações à Covid-19 no hospital bejense, foi vacinada cerca das 9h00 desta terça-feira, 29, e em declarações exclusivas ao “CA” frisou que a campanha de vacinação “é extremamente importante” para alterar “o balanço das coisas” e a evolução da pandemia.

“Até aqui só tínhamos duas armas: o esforço dos profissionais de saúde e o sacrifício das pessoas em termos de distanciamento. E agora temos mais uma arma, que vai seguramente mudar um pouco o balanço das coisas. Esperamos que as nossas vidas retornem um pouco mais à normalidade”, vinca.

Ainda assim, a clínica reconhece que a vacinação é apenas “um primeiro passo” numa batalha que está longe de estar terminada.

“Vai ser um processo demorado, porque são muitas pessoas para vacinar à medida que haja disponibilidade de vacinas. Isto não se faz de um dia para o outro, como é óbvio”, diz a médica, que depois de receber a vacina ficou meia hora em “vigilância”, antes de regressar às consultas e à “rotina do dia-a-dia”.

Médica Vera Guerreiro foi a primeira a ser vacinada contra a Covid-19 no Baixo Alentejo
DR_ULSBA

“Agora temos mais uma arma, que vai seguramente mudar um pouco o balanço das coisas. Esperamos que as nossas vidas retornem um pouco mais à normalidade.”

Vera Guerreiro | médica no Hospital de Beja

Vera Guerreiro tem sido uma das profissionais de saúde na “linha da frente” no combate à Covid-19 em Beja e admite que já são “muitos meses a trabalhar de forma diferente, sempre com um acréscimo de esforço, de adaptação de situações” num “dia-a-dia cheio de desafios”.

“Há um cansaço que acaba por se notar nas pessoas. Daí esta ansiedade de que as coisas possam voltar se não à normalidade, pelo menos a uma normalidade mais calma”, sublinha.

Sobre o facto de ter sido a escolhido para receber a primeira vacina contra a Covid-19 em Beja, Vera Guerreiro diz que tal não teve “nenhum significado diferente”, apesar do “simbolismo”.

“É mais um simbolismo que outra coisa, porque o marco foi vacinar todos os profissionais de saúde que estavam em contacto continuado com doentes Covid por serem os que corriam mais riscos”, concluiu.

Recorde-se que a campanha de vacinação contra a Covid-19 no hospital de Beja arrancou nesta terça-feira, 29, pelas 9h00, sendo abrangidos um total de 180 profissionais de saúde da ULSBA, entre médicos, enfermeiros e assistentes operacionais.

Opinião

Napoleão Mira

16 de Abril, 2021

De olhos em bico III

Carlos Pinto

16 de Abril, 2021

Uma década de aeroporto

Carlos Pinto

1 de Abril, 2021

O elogio da agricultura

Vitor Encarnação

1 de Abril, 2021

Na minha estante

José Francisco Encarnação

22 de Março, 2021

Opções

Carlos Pinto

19 de Março, 2021

Um problema de futuro!

Anterior
Seguinte

EM DESTAQUE

ULTIMA HORA

Role para cima