Luta pela liderança na Distrital do PSD

Luta pela liderança

As eleições para a Distrital de Beja do PSD deverão ser no próximo mês de Outubro e prometem uma corrida a dois na sucessão a Mário Simões, que não se pode recandidatar.
Segundo apurou o “CA”, de um lado vai estar Fernando Palma, actual presidente da Concelhia de Almodôvar, que pretende “renovar” o partido. Do outro lado deverá estar João Guerreiro, que integra a comissão política da Distrital e poderá vir a contar com o apoio do actual líder.
“Confirmo que vou ser candidato, mas neste momento não presto qualquer declaração sobre esse processo”, responde Fernando Palma, de 45 anos, quando questionado pelo “CA” sobre a sua decisão de ir a votos para liderar o PSD no distrito de Beja.
Apesar do silêncio de Palma sobre a candidatura à distrital laranja, o “CA” sabe que este já tem a sua estrutura “montada” e os cabeças-de-lista para os diversos órgãos distritais escolhidos. A lista liderada pelo militante de Almodôvar promete ser de “renovação”, contando inclusivamente com o apoio de alguns sociais-democratas de “referência” no PSD do distrito.
Entre as metas de Fernando Palma está a criação de condições para um bom resultado do PSD no distrito de Beja nas Autárquicas de 2017. Neste capítulo, a prioridade passa pela reconquista da Câmara Municipal de Almodôvar, perdida para o Partido Socialista nas eleições realizadas no anos de 2013.
Por confirmar, mas praticamente garantida, está a candidatura de João Guerreiro.
O actual enfermeiro-director da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo é vice-presidente da Distrital e integra a Secção do PSD de Moura, sendo que a sua candidatura é encarada numa linha de continuidade face à presente liderança.
Aliás, é bem provável que Mário Simões integre a candidatura encabeçada por este militante do PSD em Moura.

PSD dividido?<7B>
O surgimento de duas listas à liderança da Distrital de Beja do PSD acontece após três actos eleitorais em que Mário Simões se apresentou a votos sem oposição.
Depois de ter ganho as eleições de 2010, 2012 e 2014, o actual líder social-democrata está impedido pelos estatutos de se recandidatar, o que abre portas às candidaturas de Fernando Palma e João Guerreiro. Contudo, a quatro meses da eleições, não é de excluir alterações neste quadro!
Segundo algumas fontes, o facto de já haver dois candidatos tanto ilustra a “vitalidade” do PSD de Beja, como demonstra a divisão que existe actualmente no partido.
É que o mau resultado obtido nas Autárquicas de 2013 (com o PSD a perder em Almodôvar a única Câmara que tinha no distrito) e o processo de escolha do cabeça-de-lista para as Legislativas de 2015 (em que Passos Coelho optou por Nilza de Sena em detrimento de Mário Simões, que era deputado e surgiu em segundo lugar) fizeram mossa entre os sociais-democratas da região.
Nesse sentido, há mesmo quem fale num partido que anda “a duas velocidades” no Baixo Alentejo. “Paz podre” é outra das expressões utilizadas por alguns militantes para descrever o actual ambiente que se vive no seio do PSD do distrito de Beja.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima