IP2 sem acessos para agricultores em Castro

IP2 sem acessos para

Muitos agricultores do concelho de Castro Verde ficaram sem acesso às suas explorações através do IP2, depois de a Infra-estruturas de Portugal (IP) e a concessionária da via, a SPER, terem encerrado no final de Setembro todas as passagens de trânsito local existente no troço que atravessa o concelho.
A situação está a causar grandes transtornos aos agricultores locais, sobretudo na freguesia de Entradas, e já mereceu total “repúdio” por parte da Câmara Municipal.
Em comunicado enviado ao “CA”, o Município acusa a IP e a SPER de terem conduzido o processo de “forma unilateral e desrespeitadora do ponto de vista institucional”, “deitando por terra um longo caminho de diálogo” em “defesa das condições de vida das populações utentes do IP2 neste troço”.
A autarquia lembra que após o encerramento de todos os acessos ao IP2 no troço que atravessa o território do concelho, a 29 de Setembro, manifestou de “forma veemente” o seu “protesto” e “indignação”, questionando os motivos da intervenção, tendo os responsáveis pela IP assumido o compromisso de comunicar à SPER a suspensão imediata dos trabalhos e a remoção das barreiras entretanto colocadas.
Contudo, a 30 de Setembro, em reunião, a empresa que gere as infra-estruturas rodoviárias e ferroviárias nacionais explicou à Câmara de Castro Verde que era necessário “dar por terminadas todas as obras do IP2 até final do mês de Setembro”, o que implicava o encerramento dos acessos à via existentes.
Assim, critica a autarquia, além da “não realização de obras de melhoria nos nós de acesso a Entradas”, assistiu-se ao “encerramento unilateral dos acessos à via sem a criação prévia de alternativas viáveis através dos ‘caminhos paralelos’”.
Contactada pelo “CA”, a IP explica que o troço do IP2 que atravessa o concelho de Castro Verde é da responsabilidade da SPER, mas lembra que no âmbito da beneficiação da via estava previsto que alguns acessos “actualmente existentes” fossem garantidos “pelos novos nós de ligação ou intersecções entretanto já executados e/ou em face de conclusão”.
A empresa acrescenta que “até final do corrente mês” a SPER irá “proceder à reposição e regularização dos restabelecimentos, com as devidas condições de transitabilidade e segurança, designadamente os atravessamentos da ribeira de Terges, o prolongamento das passagens hidráulicas existentes no IP2 onde se revele necessário e o restabelecimento existente entre Entradas Norte e Entradas Sul”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima