Incêndios. Agricultores do Baixo Alentejo pedem alívio nas medidas restritivas

A Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo (FAABA), com sede em Beja, pediu ao Governo “algum alívio e bom senso” nas medidas restritivas decretadas em todo o país devido ao risco elevado de incêndios.

Em carta aberta assinada pelo presidente da FAABA, Rui Garrido, e dirigida à ministra da Agricultura e da Alimentação, Maria do Céu Antunes, os agricultores defendem que “que seja permitida a debulha normal dos cereais, exceto no período compreendido entre as 13h00 e 17h00”.

Segundo a FAABA, “é normal fazer a debulha de cereais no Alentejo com temperaturas acima dos 30ºC, sendo que as zonas ocupadas por esta cultura situam-se em áreas desprovidas de coberto florestal, onde o risco de incêndio é diminuto”.

A par disso, os agricultores pedem também que nestas alturas não seja proibida a instalação de sistemas de rega, “na maior parte dos casos para culturas permanentes em que se torna necessária a utilização de retroescavadoras para abertura e fecho de valas”.

“Estas operações ocorrem geralmente em parcelas já gradadas, preparadas para a plantação e completamente limpas de pastos, onde o risco de incêndio é nulo”, argumenta a FAABA, acrescentando que “o impedimento destes trabalhos está a prejudicar não só os agricultores que necessitam de ter os sistemas instalados e prontos para a rega das plantas”, mas também “as empresas de rega que estão impedidas de trabalhar”.

Para tal, a Federação sugere “que para estes trabalhos seja estabelecido um horário semelhante ao solicitado para a colheita dos cereais”.

Por fim, a FAABA pede que sejam igualmente permitidas “determinadas operações de preparação de terreno para culturas anuais ou permanentes”, nomeadamente lavouras e ripagens sem recursos à utilização de alfaias de discos, no mesmo período, sem “que para isso tenham que ser reforçadas as medidas de segurança contra incêndios”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima