Governo defende gestão conjunta da água em baixa

Governo defende gestão

O Governo defende que as câmaras municipais da região se agreguem num único sistema para a gestão do abastecimento de água em baixa, o que leva a água dos reservatórios até casa.
A ideia é replicar o que já acontece no abastecimento em alta, através da Águas Públicas do Alentejo (AgdA) e a proposta já foi inclusivamente apresentada aos autarcas pelo ministro da Ambiente, João Matos Fernandes. Mas de momento são poucos os que encaram esta possibilidade com bons olhos.
“Com a agregação é muito mais simples poder garantir que o preço da água é justo para todos”, explica ao “CA” o ministro do Ambiente, garantindo que para um sistema municipal ser eficiente “tem de ter, no mínimo, 80 a 100 mil habitantes”.
“Abaixo disso, uma de duas: ou se paga muito ou não se cobra o que é necessário para cobrir os custos do sistema. Por isso é indispensável a agregação dos municípios na gestão dos sistemas em baixa”, diz.
Para Matos Fernandes, com este modelo de gestão “fica facilitada a capacidade de financiamento” e, “sobretudo, fica muito facilitada a capacidade de gestão” destas redes.
“Quando falamos que em Portugal há municípios com 40 ou 50% de água não facturada, pensamos que são problemas de canos rotos ou de condutas velhas… Bom, há investimentos a fazer, mas é sobretudo um problema de falta de capacidade de gestão, de facturar bem, de lidar com os clientes, de conhecer as pressões da rede e de as modelar, de ter equipas profissionais para poder intervir quando existem problemas”, acrescenta.
Na opinião do ministro do Ambiente, há duas possibilidades de dar corpo a essa agregação de municípios. “Uma parceria como esta [da AgdA], que envolva os municípios e a Águas de Portugal, ou um sistema intermunicipal”, revela Matos Fernandes, deixando a garantia que ninguém será agregado “à força” e que serão sempre as autarquias “a mandar nesses sistemas”.
“Queremos que se crie uma partilha de responsabilidades. E se há território no país que deu um excelente exemplo sobre o que são estas parcerias é exactamente este território, através desta parceria para a alta”, sublinha João Matos Fernandes.
Convicto de que a agregação dos municípios será a melhor solução para a gestão da rede de água em baixa, o ministro assegura igualmente que os financiamentos disponíveis no Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no uso de Recursos (POSEUR) para estes sistemas irão privilegiar quem já trabalhe em parceria.
“Estamos muito convencidos da nossa política. E porque já há 80 municípios do país – em sistemas distintos, naturalmente – que se estão a agregar, não podemos deixar de dizer que o dinheiro que ainda temos no POSEUR para a baixa há-de ser gasto prioritariamente por quem aceitar este desafio da eficiência”, adverte.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima