Futebol regressou à vila de Entradas

Futebol regressou

Desde 2010-2011 que o Entradense não tinha uma equipa de futebol sénior, “travessia no deserto” que chegou ao final no início desta temporada com a inscrição do clube no campeonato do Inatel de Beja.
A primeira fase da época já terminou, com a equipa do concelho de Castro Verde a conquistar o quarto lugar no Grupo B, posição que deixou jogadores e treinador muito satisfeitos.
“Até podíamos ter feito melhor, mas devido a todas as circunstâncias – muitos jogadores trabalham por turnos e nem sempre a equipa esteve completa – não foi possível. Mas a componente desportiva também não era a mais importante. O que queríamos era criar um grupo para praticar desporto e pôr estes jovens de Entradas a jogar à bola”, diz ao “CA” o técnico António Brito.
Entre os jogadores, a opinião é em tudo idêntica. “Ficámos no lugar que queríamos, que é o primeiro antes de quem passa à fase final, que é mais parecida ao ‘Distritalão’, com equipas que treinam muitas vezes. Optámos por assumir este objectivo e ficámos dentro do que perspectivámos”, sublinha o avançado Luís Soares, 37 anos e capitão da equipa.
“Foi uma equipa feita em cima da hora e combinada por amigos. Mas tínhamos um grupo unido e penso que os objectivos foram cumpridos”, complementa Chiquinho, um dos mais experientes da equipa e que podia ter continuado a jogar na 1ª divisão distrital. “Tive alguns convites, mas a nossa terra é sempre a nossa terra. E não estou nada arrependido”, acrescenta o atleta de 30 anos.

Entradas com mais vida
Mais que a vertente desportiva, o regresso do futebol ao Entradense teve outra finalidade.
“A vila ao fim-de-semana tem pouca gente. E como quase toda a gente de cá que ainda jogava estava noutros clubes – e havia outros sem jogar –, decidimos criar esta equipa. Acabam por vir mais pessoas a Entradas, há mais movimento nos cafés e as pessoas saem de casa, para se juntarem aos amigos e relembrarem outros tempos”, explica Chiquinho.
“Assim de 15 em 15 dias há pessoas novas na terra, o que traz alguma dinâmica a Entradas”, acrescenta Luís Soares, destacando ainda o facto de a criação da equipa ter permitido a grande parte dos seus jogadores reviverem as tardes passadas no polidesportivo da escola, que fica mesmo ao lado do campo. “Eram dias de grandes jogatanas e muito divertimento. E com esta equipa aproveitámos para consolidar algumas amizades e fazer outras”, diz.
“Ter uma equipa dinamiza a colectividade e sente-se uma grande envolvência entre as pessoas. Acho que isto é bom para Entradas e deve continuar”, conclui o técnico António Brito.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima