Francisco Chaves estreia peça em Castro Verde

Francisco Chaves estreia

O jovem Francisco Assislau Chaves, natural de Castro Verde, é o autor de “Concerto de Sombras”, obra que sobe ao palco do cine-teatro municipal de Castro Verde nesta sexta-feira, 20, interpretada pela Orquestra Metropolitana de Lisboa (OML). O concerto está agendado para as 21h00 e será dirigido pelo maestro Michael Zilm.
Esta peça “demorou cerca de ano e meio a ser escrita e mais um ano para ser estreada, logo estou super-ansioso para ver o que ‘vai sair’ depois de um processo tão longo”, admite Francisco Assislau Chaves, 23 anos, ao “CA” a partir da Alemanha, onde reside actualmente.
A nova obra do compositor castrense será interpretada pela OML durante o concerto “Os 500 Anos da Reforma”, onde serão também tocadas obras de Johannes Brahms e Felix Mendelssohn, num espectáculo que contará com a participação do violinista José Teixeira.
“A Orquestra já tinha tocado a minha obra ‘Sinfonieta em três andamentos’ e tinham gostado muito dela. Tinha uma enorme vontade de escrever uma obra de maior dimensão, mais madura, mais longa. Propus-lhes compor um concerto para violino e aceitaram. Sugeriram-me um solista, o José Teixeira, com o qual trabalhei e discuti algumas ideias enquanto escrevia a peça”, revela Francisco Assislau Chaves.
De acordo com o autor, “Concerto de Sombras” acabou por “nascer” quando ainda era estudante na Universidade de Évora e compôs “Jogo de Sombras”, uma obra para três clarinetes.
“Na música clássica, no seu sentido mais tradicional, um ‘concerto’ é uma obra onde existe, regra geral, um solista acompanhado pela orquestra. Eu comecei a imaginar um concerto onde o solista se ‘mistura’, se ‘funde’ com a orquestra. Por vezes a orquestra é uma ‘sombra’ dele, por vezes ele é uma ‘sombra’ da orquestra. Por vezes ele é o solista ‘convencional’ a liderar e a guiar o grupo, por vezes é o contrário. Enquanto imaginava a música na minha cabeça, esta dialéctica interessava-me e deixava-me inquieto, curioso e excitado para saber como se iria resolver este ‘conflito’. Espero que cause a mesma sensação no público”, diz.
Natural de Castro Verde, Francisco Assislau Chaves entrou cedo para o Conservatório Regional do Baixo Alentejo (CRBA), onde frequentou no pólo de Castro Verde as aulas de guitarra clássica. Acabou por se licenciar em Música na Universidade de Évora (terminando o curso com a média final: 18 valores) e frequentou o mestrado em guitarra clássica no Conservatorium Maastricht, na Holanda. Em 2013 venceu o “Prémio Novos Compositores”, com uma peça baseada na obra de Hayden.
Actualmente vive na Alemanha, onde é professor numa escola de música”. “Mas também cruzo a fronteira muitas vezes e vou à Holanda dar aulas privadas, além de dar aulas por Skype. Isso ocupa 50% do meu tempo. Nos outros 50% dedico-me a novos projectos, composições e concertos ocasionais como guitarrista”, revela.
Um dos projectos que tem em mãos, adiante, é a composição da banda sonora de um vídeo-jogo. “Mas ainda não posso dar muitos pormenores, porque estamos a trabalhar nisso”, conclui.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima