Falta de água no Monte da Rocha cancela rega

Falta de água no Monte da Rocha cancela rega

A campanha de rega deste ano a partir da albufeira do Monte da Rocha, no concelho de Ourique, foi cancelada devido à seca, o que afectou três mil hectares, revela o director-adjunto da associação de regantes.
"Actualmente, toda a água que existe na albufeira está reservada para abastecimento público. Na nossa zona ficam 3.000 hectares por regar e é uma situação que afecta muitas pessoas”, referie ao "CA" o director-adjunto da Associação de Regantes e Beneficiários de Campilhas e Alto Sado (ARBCAS), Ilídio Martins.
Segundo o responsável da associação, com sede em Alvalade-Sado, no concelho de Santiago do Cacém, e que gere a albufeira do Monte da Rocha, o volume de armazenamento da barragem estava na passada sexta-feira, 7, em 9,4% da sua capacidade total.
“Há um conjunto de agricultores e famílias que tiveram que optar por outras alternativas, de agricultura de sequeiro, que é muito mais pobre, e vão sobrevivendo à espera do próximo ano”, conta Ilídio Martins.
Desta forma, acrescenta, nos 3.000 hectares de regadio existentes no perímetro da albufeira do Monte da Rocha “ficaram por fazer culturas de milho, de tomate, algum arroz e pastagens”.
Esta realidade leva o director-adjunto da ARBCAS a defender que a ligação do Alqueva ao Monte da Rocha, através da albufeira do Roxo, anunciada pelo Governo para 2022, avance “o mais rápido possível” devido à seca que atinge a zona sul do distrito de Beja.
“O projecto já devia estar concretizado”, diz Ilídio Martins, acrescentando que, “dada a urgência de necessidade de água no sul do Alentejo”, esta empreitada “devia avançar com mais velocidade”.
A mesma opinião tem o presidente da Associação de Agricultores do Campo Branco, com sede em Castro Verde, para quem a ligação entre as albufeiras do Roxo e do Monte da Rocha “já devia estar a funcionar”.
“Em qualquer país da Europa, mesmo pobre, essa situação já estava resolvida. Não sei o que se tem andado a fazer quando há alertas de todos os lados há muitos anos”, critica José da Luz Pereira.
Para este responsável, esta obra é indispensável ao futuro da região, “até porque hoje a função do Monte da Rocha não é só servir a agricultura”. A albufeira serve “também para o abastecimento público de uma vasta área do Campo Branco e não só. E o que está lá de água é confrangedor”, diz.
A ligação do Alqueva à albufeira do Monte da Rocha foi anunciada em Fevereiro de 2018, em Beja, pelos então ministros da Agricultura e do Ambiente, Luís Capoulas Santos e João Matos Fernandes, respectivamente.
O projecto, previsto para 2022, resulta de uma parceria entre a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) e o grupo Águas de Portugal, através da empresa Águas Públicas do Alentejo.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima