“Este é o tempo de comprar português”

“Este é o tempo de

Em tempo de pandemia e de emergência, em que a crise está em todo o lado, é hora de comprar e consumir aquilo que se faz nos campos do mundo rural. O apelo é do deputado do PS eleito por Beja, Pedro do Carmo, para quem “o Mundo Rural é incontornável, agora como no futuro”.
Em declarações ao “CA”, o deputado socialista (que presidente à Comissão de Agricultura e Mar na Assembleia da República) observa que a actual pandemia “já nos ensinou que temos de ser mais autónomos, procurar gerar mais no nosso território aquilo que é essencial em tempo de emergência e nos quotidianos que virão, certamente com outros perfis, ritmos e hábitos”.
Nesse sentido, advoga, “o Mundo Rural pode ser um desses pilares do novo tempo, superando a tradicional falta de atenção ou desatenção dos media, dos decisores e da população em geral, apesar do labor contrário de alguns”.
Na opinião de Pedro do Carmo, “comprar produtos portugueses é uma opção de qualidade, de solidariedade e de sentido de futuro”. “Pode ser a diferença entre o desaproveitar os produtos que já estão prontos a colher e viabilizar a manutenção da actividade agro-alimentar de muitos cidadãos, economias locais e regiões”, alerta.
Por isso mesmo, “este é, uma vez mais, um tempo de dar expressão à valorização do Interior, dos pequenos produtores e dos produtos tradicionais que, demasiadas vezes, não vemos nos pontos finais de distribuição, ao invés de produtos importados”, defende.
Na opinião de Pedro do Carmo, este é o tempo de “reafirmar a confiança no enorme potencial agro-alimentar de Portugal”. “Esse Portugal que semeia, que cria, que produz e que inventa formas de resiliência da ruralidade precisa da distribuição e dos consumidores. Naturalmente, o Estado também tem de estar presente neste contexto de emergência”, vinca.
À luz de tudo isto, o deputado socialista considera que “agora é tempo de comprar português. De ajudar a escoar o que está nos campos e nas explorações, sendo fruto do labor de vivência e de sobrevivência de milhares de mulheres e homens comprometidos com o nosso Mundo Rural”.
Mas é também “tempo de a distribuição comprar e revender mais produtos portugueses e mais produções locais, pagando nos prazos mais curtos possíveis. E é tempo de os consumidores optarem pelos produtos portugueses, de produções locais, de gente fundamental para a manutenção da capacidade produtiva e das tradições”, conclui.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

OP de Odemira com 51 propostas em 2021

Um total de 51 propostas de investimento público foram apresentadas pela população do concelho de Odemira no âmbito do processo do “Orçamento Participativo” (OP) de

Role para cima