Espetáculo em Odemira assinala fecho do projeto “Sonotomia”

Jamie Man

O cineteatro Camacho Costa, em Odemira, recebe neste sábado, 5, pelas 21h30, o espetáculo “Outrenoir V [Água da Vida]”, da compositora e maestrina britânica Jamie Man, que assinala o encerramento do projeto europeu “Sonotomia”.

O evento é promovido pelo festival “Terras sem Sombra” e pela Câmara de Odemira e, segundo a autarquia, será a primeira vez que é apresentado em Portugal um concerto ao vivo com o sistema “Spatial Sound”, que “aprofunda a quarta dimensão do som”.

No concerto será estreada a peça “Outrenoir V [Água da Vida]”, com direção musical de Jamie Man, interpretação da soprano portuguesa radicada em Berlim Inês Simões e desenho sonoro do holandês Marijn Cinjee, perito em música eletrónica.

Em palco estará também o compositor e inventor Paul Oomen, “figura cimeira na investigação e desenvolvimento de tecnologias de áudio espacial e ambientes sonoros imersivos”, que apresentará “The Magnified Ear (O Ouvido Aumentado): quando a arte encontra a tecnologia”.

“Dos trabalhos do projeto ‘Sonotomia’ resultou um arquivo sonoro (SoundLibrary) representativo de três dimensões fundamentais da Europa – a marítimo-fluvial, a rural e a urbana.”

O projeto europeu “Sonotomia” teve por objetivo captar e recriar “artisticamente” algumas “paisagens sonoras únicas da Europa”.

No âmbito do projeto foram desenvolvidas residências artísticas no Alentejo Litoral, Albarracín e Budapeste e foi registado e recriado, “de forma inovadora”, o património sonoro da Europa, “incluindo uma inédita captação de sons submarinos”.

Para tal, foram realizados registos no Alentejo Litoral, com especial atenção para o Atlântico, os rios Mira, Sado, Guadiana e Tejo, as lagoas de Santo André, Sancha e Melides e as barragens de Alqueva (Mourão), Pego do Altar e Charruadas (Alcácer do Sal).

“Dos trabalhos resultou um arquivo sonoro (SoundLibrary) representativo de três dimensões fundamentais da Europa – a marítimo-fluvial, a rural e a urbana”, explica em comunicado a associação Pedra Angular, que organiza o festival “Terras Sem Sombra” e é uma das entidades parceiras do projeto.

De acordo com a mesma fonte, foram lançadas simultaneamente “as bases para o cimentar de uma nova comunidade virtual de artistas sonoros (Digital Hub)”, estabelecendo-se “uma metodologia pedagógica e artística que pode ser reproduzida noutras residências artísticas” e criadas “obras e instalações acústicas com a tecnologia 4DSound”.

O projeto “Sonotomia” reúne instituições de quatro países; Pedra Angular (Portugal), Spatial Sound Institute (Budapeste, Hungria), 4DSOUND (Amesterdão, Países Baixos), e Fundación Santa María de Albarracín (Teruel, Espanha).

A iniociativa, que contou com o apoio da Câmara de Odemira, integrou o programa “Europa Criativa”, de apoio aos sectores cultural e criativo, que congrega algumas das mais inovadoras ações na União Europeia.

“O culminar do projeto é o momento, também, para a apresentação e avaliação dos resultados obtidos, com a presença de representantes de todas as instituições envolvidas”, adianta autarquia odemirense.

Opinião

Carlos Pinto

21 de Junho, 2024

O Segredo de justiça existe?

Vitor Encarnação

21 de Junho, 2024

Solidão

Carlos Pinto

7 de Junho, 2024

O problema da imigração

Napoleão Mira

7 de Junho, 2024

Mestre Vargas, Um Barbeiro Invulgar

Carlos Pinto

24 de Maio, 2024

Tensão extrema!

Vitor Encarnação

24 de Maio, 2024

Sábado à noite

Anterior
Seguinte

EM DESTAQUE

ULTIMA HORA

Role para cima