Diretor do Agrupamento de Escolas. “Sucesso escolar tem vindo a aumentar em Castro Verde”

A Secundária de Castro Verde alcançou o 99º lugar no ranking dos exames de 2019-2020, sendo a melhor entre as escolas do distrito de Beja. Augusto Candeias, presidente do Agrupamento de Escolas, revela os “segredos” deste bom resultado alcançado pelos alunos castrenses.

Como justifica o resultado alcançado pela Escola Secundária de Castro Verde no ranking dos exames de 2019-2020?

Todos os anos tentamos dar continuidade ao processo ensino-aprendizagem, isto é, manter os professores na medida do possível e criar as melhores condições de aprendizagem aos alunos. Nestes últimos tempos, face à situação pandémica que atravessámos, foi possível que os encarregados de educação colaborassem no processo de ensino-aprendizagem, dando uma ajuda imprescindível no ensino à distância. Também a equipa TIC do Agrupamento prestou um apoio fundamental para que esse tipo de ensino tivesse o sucesso que teve, porque esta situação foi criada em todas as escolas do país. Algumas não conseguiram implementar todas as medidas que estavam previstas e planeadas tendo em vista o sucesso dos alunos, outras conseguiram fazê-lo de uma forma mais eficaz. Pode ter sido o nosso caso e agradecemos aos alunos, encarregados de educação, professores e funcionários.

Alcançar estes resultados em ano de pandemia tem ainda maior relevância?

Claro que sim! Quando os alunos vão a exame às disciplinas apenas para acesso ao ensino superior e apenas nas disciplinas para as quais estão mais vocacionados, focando-se essencialmente numa ou duas disciplinas, isso torna o processo mais fácil. Isso significa que a situação de exames obrigatórios para aprovação nas disciplinas e no curso será um fator que promove o insucesso e será um entrave, quiçá, ao acesso ao ensino superior e aos bons resultados nos exames nacionais.

A taxa de sucesso escolar na Secundária de Castro Verde tem vindo a aumentar?

Efetivamente tem vindo a aumentar. Tal deve-se, eventualmente, a esta situação que foi criada, ou seja, a estas alterações na realização dos exames e no facto dos exames não servirem para a conclusão dos cursos. Mas todas as escolas, à partida, estavam na mesma situação, portanto todas teriam condições para aumentar as suas médias nos exames nacionais.

Conta que isso possa acontecer também neste ano letivo de 2020-2021?

É necessário continuar a trabalhar, é necessário haver dedicação por parte dos alunos e dos professores, é necessário muito trabalho.

Este tem sido um ano letivo exigente, dados os condicionalismos impostos pela pandemia?

Sim. Esta situação do ensino à distância levou-nos a escolher plataformas, metodologias  de ensino, encontrar materiais e fazer recurso a plataformas como a Escola Virtual ou similares. Foi necessário fazer um aproveitamento eficaz de todos esses recursos. O facto de a Somincor e a autarquia [de Castro Verde] terem possibilitado que alguns alunos sem recursos pudessem usufruir de equipamentos e utilizar esses equipamentos em sua casa para o ensino à distância também foi bastante importante e conducente a estas aprendizagens e a estes resultados.

“Algumas [escolas] não conseguiram implementar todas as medidas que estavam previstas e planeadas tendo em vista o sucesso dos alunos, outras conseguiram fazê-lo de uma forma mais eficaz. Pode ter sido o nosso caso e agradecemos aos alunos, encarregados de educação, professores e funcionários.”

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Odemira promove cidadania ambiental

Alertar as comunidades “para o problema dos resíduos”, para que os cidadãos “se tornem agentes de mudança”, é o grande objetivo do projeto “A Rua

Role para cima