Deputados defendem que o Estado “tem que concluir urgentemente” o Alqueva

Deputados defendem  que o Estado “tem que concluir urgentemente” o Alqueva

O presidente da Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar, Vasco Cunha, defendeu terça-feira, 20, que o Estado “tem que concluir urgentemente” o projecto Alqueva, para “cumprir” as expectativas criadas junto de agricultores, municípios e agentes económicos do Alentejo.
Alqueva “é um projecto que está previsto concluir-se em 2013, é urgente que se conclua e o Estado, como pessoa de bem, entre 2013 e 2015, admitindo aqui o desfasamento temporal destes dois anos para liquidar os pagamentos finais deste quadro comunitário que está em exercício, tem que concluir urgentemente este processo”, disse Vasco Cunha.
Segundo o também deputado do PSD, o projecto Alqueva é “uma promessa do Estado Português”, que “criou um conjunto de expectativas, junto de agricultores, municípios e agentes económicos” do Alentejo, que “urge cumprir”.
“Há um conjunto de expectativas que foram criadas, particularmente junto dos agricultores, muitos deles hoje estão ainda na expectativa de saber qual o ‘timing’ final do projecto Alqueva para poderem avançar com a reestruturação das suas produções, e é imperativo que o Estado responda”, defendeu.
A conclusão do projecto Alqueva, inicialmente prevista para 2025, foi revista para 2015 e, entretanto, antecipada pelo anterior Governo PS para 2013.
Vasco Cunha falava aos jornalistas em Beja, após a Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar se ter reunido com a administração da Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva (EDIA).
A reunião integrou-se numa jornada de trabalho da comissão dedicada ao Alqueva e que incluiu também visitas a infra-estruturas do projecto, nomeadamente ao aproveitamento hidroagrícola do Pisão e às obras do subsistema do bloco de rega do Pedrogão.
A jornada de trabalho, que resultou de um requerimento apresentado pelo Grupo Parlamentar do PSD na Comissão de Agricultura e Mar e que foi “adoptado consensualmente” pelas seis forças políticas com assento naquele órgão, serviu para a comissão “acompanhar o ponto de situação” sobre o projecto Alqueva.
Após as visitas, “cada uma das forças políticas” que integram a comissão “tem o direito de, sobre esta matéria, tomar as iniciativas que muito bem entenderem”, disse Vasco Cunha, referindo que a sua função, como presidente do órgão, é “gerir os consensos que resultam dos acordos que são feitos pelas forças políticas na comissão”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima